sábado, abril 15, 2017

As pinturas negras

Em 1828, Francisco de Goya morreu no desterro.
Acossado pela Inquisição, tinha partido para a França.
Em sua agonia, Goya evocou, entre algumas palavras incompreensíveis, sua querida casa dos arredores de Madri, nas margens do rio Manzanares. Lá havia ficado o melhor dele, o mais seu, pintado nas paredes.
Depois da sua morte, essa casa foi vendida e revendida, com pinturas e tudo, até que as obras, desprendidas das paredes, passaram para a tela.
Foram oferecidas, em vão, na Exposição Internacional de Paris. Ninguém se interessou em ver, e muito menos em comprar, essas ferozes profecias do século seguinte, onde a dor matava a cor e sem pudor o horror se mostrava em carne viva.
Tampouco o Museu do Prado quis comprá-las, até que no começo de 1882 as obras enfim entraram lá, doadas.
As chamadas pinturas negras ocupam, agora, uma das salas mais visitadas do museu. – Isso, eu pinto para mim – havia dito Goya. Ele não sabia que pintava para nós.

(Eduardo Galeano em "O Filho dos Dias")

Goya - Aquelarre

Nenhum comentário :