sexta-feira, janeiro 15, 2010

A história de Hachiko




Um dos filmes do momento é "Sempre ao Seu Lado" (de Lesse Hallströn, o mesmo de Minha Vida de Cachorro, 1986) com Richard Gere. É uma refilmagem de uma produção japonesa de 1987 intitulada “Hachiko Monogatari”, baseada em uma história real, que ocorrera no Japão da década de 1920. Na versão nova, o roteiro se passa nos Estados unidos durante os anos 1990. Na foto, o verdadeiro Hachiko e a estátua que existe até hoje em homenagem. No vídeo, um resumo do filme japonês.
Eis a verdadeira história de Hachiko, uma das histórias reais mais belas sobre cães. Hachiko foi um cachorro da raça Akita nascido na cidade de Odate, na Prefeitura de Akita, e é lembrado pela sua lealdade pelo dono, que perdurou mesmo após sua morte. Em 1924 Hachiko foi trazido a Tóquio pelo seu dono, Hidesaburo Ueno, um professor do departamento de agricultura da Universidade de Tóquio. Hachiko acompanhava Ueno desde a porta de casa até a não distante Estação de Shibuya, retornando para encontrá-lo ao final do dia. A rotina continuou até maio do ano seguinte, quando numa tarde o professor não retornou em seu usual trem, como de costume. Ueno sofrera um derrame, nunca mais retornando a estação onde sempre o esperara Hachiko. Hachiko foi dado à outra pessoa após a morte de seu mestre, mas ele escapava constantemente, aparecendo diversas vezes em sua antiga casa. Depois de certo tempo, Hachiko aparentemente se deu conta de que o Professor Ueno não mais morava ali. Então tornou a procurar na estação de trem onde o encontrara diversas vezes antes. Dia após dia, em meio aos apressados passageiros, Hachiko esperava pelo retorno de seu amigo.
A figura permanente do cão à espera de seu dono atraiu a atenção de alguns transeuntes. Muitos deles, frequentadores da estação de Shibuya, já haviam visto Hachiko e Professor Ueno indo e vindo diariamente no passado. Percebendo que o cão esperava em vão a volta de seu mestre, ficaram tocados e passaram então a trazer petiscos e comida para alivar sua vigília. Por 10 anos contínuos Hachiko aparecia ao final da tarde, precisamente no momento de desembarque do trem na estação, na esperança de reencontrar-se com seu dono. (Fonte: UOL)

4 comentários :

JOSÉ ROBERTO BALESTRA disse...

Bulga, pra quem teve os veros carinhos de Billy (08) e Bob (11) até 2009, assistir ao filme de Hachiko é sofrer demais... Prometo não assistir, sinceramente.

abs

P.S.: acesse quando puder: http://zerobertoballestra.blogspot.com/2009/12/entre-o-raso-e-o-profundo.html

Anônimo disse...

eu já vi o filme e é um filme lindo deu-me vontade de chorar...quando me disseram que se tratava de um história verdadeira aí fiquei mesmo chocada

ALEXANDER VINICIUS disse...

É UM FILME REAL... MUITO TRISTE!! TIVE UMA CACHORRA DA RAÇA ROTTWEILER, QUE ESPEROU MEU RETORNO PARA SE DESPEDIR, E MORRER... O CÃO É ALGO ESPECIAL, ELE É TOTALMENTE FIEL AO SEU DONO!!!

CARLOS disse...

assisti e aconselho quem tiver cachorro não assista,não conseguia parar de chorar...............E MUUUUUUUUUUUUUUUITO TRISTE.