quinta-feira, junho 30, 2011

Mes diferente!

Será que nós nunca mais veremos um mês de Julho como o de 2011? Bem, só daqui a  823 anos. Sim, teremos cinco domingões!! 



D


S


T


Q


Q


S


S












1


2


3


4


5


6


7


8


9


10


11


12


13


14


15


16


17


18


19


20


21


22


23


24


25


26


27


28


29


30


31




"

Julho terá 5 sextas-feiras, 5 sábados e 5 domingos.

quarta-feira, junho 29, 2011

Incrivel!

Carro quebra na linha do trem e motorista consegue salvar o veículo

Cervejas mais caras vendidas no Brasil custam até R$ 900

Foi publicado  na Folha.com as cervejas mais caras vendidas no Brasil.
São elas:

- Tripel Karmeliet R$ 239,90
- Ola Dubh 40 R$ 47
- Eisenbahn Lust R$ 90
- Wals Brut R$ 150
- Saint Lamvinus R$ 85
- Sink the Bismarck R$ 640
- Samuel Adams Utopias R$ 900
- Deus R$ 160 a R$ 230


"

A voz do dono e o dono da voz

Recebi o desabafo por e-mail e achei melhor reproduzir - veio do blog Artilharia Cultural 
Longe de mim querer promover a discórdia, mas recebi há pouco um e-mail que me deixou bastante chateado e um pouco nervoso: era do YouTube, dizendo que minha conta foi encerrada por reclamação de direitos autorais. Pra contextualizar: desde os meus doze anos eu garimpo a obra do Chico Buarque e consegui reunir um material gigantesco nesse tempo. Todos os vídeos que coletei ao longo da viagem eu disponibilizava, aos poucos, no meu (ex)canal do YouTube, o www.youtube.com/tauil. Assim, ele ficou sendo a referência buarqueana youtubística. Porque eram mais de cem vídeos, e alguns extremamente raros, que somavam, juntos, mais de sete milhões de visualizações.

O e-mail derradeiro dizia que a gravadora Biscoito Fino tinha proclamado os direitos autorais de um vídeo promocional do novo disco do Chico. O problema é o seguinte: eu tinha combinado com o pessoal das filmagens que ajudaria na divulgação. Ou seja, eu estava divulgando um produto deles com eficácia, e sem ganhar absolutamente nada com isso. Se vocês acompanham o Artilharia Cultural, sabem que temos falado bastante do novo disco. De modo que deixei à disposição também o @buarquices, com mais de oito mil seguidores, e a comunidade no Orkut, com mais de 400 mil membros. Ou seja, né.

Não estou chorando pelo fato de que todos (todos!) os vídeos saíram do ar junto com o meu canal. Isso eu posso repor, pouco a pouco. Mas quis fazer esse desabafo, pra levantar a discussão que já foi exaustivamente discutida mas, pelo que parece, ainda não resolvida: que se passa pela cabeça das gravadoras? Não está na hora de fazer aliança com a internet? De dar as mãos pros consumidores e fazer uma enorme ciranda feliz?

Porque me parece uma burrice sem tamanho a gravadora encarar um vídeo que ela produziu sendo reproduzido por aí como algo negativo. Com isso, ela não perde prestígio (ela ganha, é o nome sendo divulgado), ela não perde dinheiro (ela ganha, é o produto sendo divulgado). Então, por quê? Uma gravadora como a Biscoito, com um elenco impecável de artistas, pode simplesmente lançar na net um vídeo e deixar que os fãs façam o trabalho de espalhar a notícia. Mas, não. Elas não soltam o osso. Ainda olham pra internet como um mar perigoso infestado de piratas querendo roubar sua preciosidade. Estão estancadas no tempo, na posição de donas da voz.

O pior de ter o canal limado, no entanto, é perder o contato com o pessoal. Recebia diariamente mensagens de gente agradecendo pelos vídeos, dizendo como aquela música fazia bem a eles. De gente emocionada porque viu tal show quando era jovem e poder revê-lo na internet era fantástico. Gente da Itália, do Chile, da Argentina, agradecendo a oportunidade de conhecer a obra de um compositor do naipe de Chico Buarque. Enfim. Legalmente, sim, eu estava contra os direitos autorais. Mas eu estava espalhando cultura (e que cultura!), sem lucrar nada com isso. Depois dessa notícia, resta-me fazer duas coisas: socar meu colchão pra descarregar toda a energia que acumulei digitando o texto (deu pra perceber, gente?) e recomeçar o processo de divulgação dos vídeos.

Eduardo Galeano



Me aproximei da obra de Eduardo Galeano nas paginas da extinta revista Bundas, editada pelo Ziraldo. Sempre fui  fã.

Eduardo Hughes Galeano (Montevidéu, 3 de setembro de 1940) é um jornalista e escritor uruguaio. É autor de mais de quarenta livros, que já foram traduzidos em diversos idiomas. Suas obras transcendem gêneros ortodoxos, combinando ficção, jornalismo, análise política e História. obra mais conhecida de Galeano é, sem dúvida, As Veias Abertas da América Latina.
 Nela, analisa a História da América Latina como um todo desde o período colonial até a contemporaneidade, argumentando contra o que considera como exploração econômica e política do povo latino-americano primeiro pela Europa e depois pelos Estados Unidos da América. O livro tornou-se um clássico entre os membros da esquerda latino-americana.
Fonte: Wikepedia

terça-feira, junho 28, 2011

Da história

Os arquivos da ditadura que os militares brasileiros querem ocultar

Documentos da ditadura militar brasileira, obtidos pelo jornal Página/12, trazem detalhes inéditos dos arquivos que a presidenta Dilma Rousseff quer tornar públicos. Militares resistem à divulgação desses arquivos. Matéria publicada no domingo, dia 26, no jornal argentino traz informações sobre atuação de Azeredo da Silveira, chanceler do general Geisel, que antes de assumir o Itamaraty comandou a embaixada na Argentina, onde teria sido um “pioneiro do terrorismo de Estado regionalizado”. Da leitura de centenas de papéis em poder do Página/12 fica claro que os contatos eram frequentes, e grande a afinidade dos militares brasileiros com os golpistas de 1976 na Argentina.
Dario Pignotti, Página/12

“O ex-presidente argentino Juan Perón esteve na mira dos serviços de inteligência brasileiros. Isso é quase um fato. Participei de reuniões com ele, se pressentia que nos vigiavam. Se abrirem os arquivos da ditadura, como quer a presidenta Dilma, surgirão mais provas disso”.

A afirmação é de João Vicente Goulart, filho do ex-presidente João Melchior Goulart, Jango, amigo do general argentino por mais de duas décadas. Transcorridos 47 anos da derrubada Jango e 38 de seus últimos encontros com Perón, provavelmente espionados por agentes brasileiros, “é hora de terminar com esse longo silêncio, ainda vivemos de costas para a história dos anos 70 devido às pressões de grupos ligados ao terrorismo de Estado”, lamenta João Vicente.

Dilma Rousseff parece compartilhar essa preocupação e, na semana passada, instruiu seus ministros, em particular a titular de Direitos Humanos, Maria do Rosário, para que convençam o Congresso a aprovar imediatamente o projeto sobre a Comissão da Verdade, contra o qual se insubordinaram os chefes das forças armadas em dezembro de 2009.

“Certo dia estava em um hotel de Madri, com papai, atendi o telefone e alguém me disse: “Quero falar com Janguito, diga que sou o general Juan Perón. Eu não podia acreditar, mas era verdade. Perón estava do outro lado da linha para convidar Jango para uma conversa na residência da Porta de Ferro. Creio que era o início de 1973”, relatou Goulart ao Página/12.

“Em uma ocasião, falou-se da possibilidade de haver um acordo. Meu pai [fazendeiro] venderia carnes no marco de um plano trienal que iria ser implementado pelo governo peronista, mas que fracassou por influências do bruxo”, apelido pelo qual era conhecido José López Rega. “Ocorreram mais reuniões com Perón, outra foi em Buenos Aires. Lembro que algumas pessoas nos diziam que os serviços de Inteligência estavam rondando por ali”.

Algo parecido ocorria com o ditador Ernesto Geisel, que se referia ao argentino como a “Múmia” e o excluiu de sua cerimônia de posse, no início de 1974, da qual participaram o chileno Augusto Pinochet, o boliviano Hugo Banzer e o uruguaio Juan María Bordaberry. Geisel iniciou um período de mudanças na política externa, conhecido como “pragmatismo responsável”, caracterizado pela abertura de relações com países do Terceiro Mundo e menor alinhamento com os Estados Unidos. Este giro não implicava o fim da estratégia de contenção do comunismo. Outra marca de sua política externa foi a intensa, e por vezes contraditória, relação com o secretário de Estado, Henry Kissinger. Nenhum chanceler teve mais sintonia com Kissinger do que Francisco Azeredo da Silveira, que esteve no cargo durante o quinquênio de Geisel.

Antes disso, Azeredo comandou a embaixada na Argentina, “onde foi um pioneiro do terrorismo de Estado regionalizado; em 1970 foi o responsável pelo sequestro em Buenos Aires e transporte ilegal ao Brasil do coronel Jefferson Cardin, um militar nacionalista e brizolista que foi meu companheiro na prisão do Rio de Janeiro”, diz Jarbas Silva Marques, prisioneiro político entre 1967 e 1977. “Jefferson Cardin me disse na prisão do Rio que Azeredo da Silveira, sendo chanceler, sabia tudo sobre a Argentina e certamente sabia dessa possível espionagem sobre Perón e mandava a embaixada colaborar com os golpistas”.

“Essa é uma história pesada, estamos falando do chefe da diplomacia brasileira entre 1974 e 1979. De uma política de Estado. Até hoje há gente querendo esconder essa história debaixo do tapete, há muita pressão. Vemos o presidente do Senado, José Sarney, fazendo lobby a favor dos militares para impedir que Dilma abra os arquivos, disse Silva Marques ao Página/12.

É impossível fazer uma reconstrução acabada de todos os movimentos da diplomacia brasileira e seus pactos com os golpistas argentinos, devido à falta de documentação suficiente. Da leitura de centenas de papéis em poder do Página/12 fica claro que os contatos eram frequentes, e grande a afinidade com aqueles que perpetrariam o golpe de 1976. A guerra suja já lançada então contra a “subversão” era aprovada.

O telegrama “secreto” enviado pela embaixada brasileira no dia 3 de setembro de 1975 dá conta de uma “longa conversa” com os “comandantes Jorge Videla e Eduardo Massera”, que expressaram seu interesse em “estimular por todos os meios a aproximação das Forças Armadas” de ambos os países. Em outra mensagem “confidencial”, de 19 de fevereiro de 1975, fala-se sem eufemismos da coordenação repressiva. A nota relata um encontro oficial de diplomatas brasileiros com o ministro da Defesa argentino, Adolfo Savino, quando se tratou com “total franqueza da necessidade de um profundo entendimento de nossos países frente aos inimigos comuns da subversão”.

Durante sua conversa com o Página/12, o filho de João Goulart e Jarbas Silva Marques lamentaram o “atraso” histórico do Brasil frente a Argentina, o Chile e o Uruguai, onde “houve um ajuste de contas com a história e a verdade”, mas manifestaram esperança de que essa situação possa ser revertida. Eles, assim como vários organismos de direitos humanos, confiam no compromisso com a verdade assumido por Dilma Rousseff, vítima de prisão e torturas durante o regime militar, assim como na pressão internacional. Citam o exemplo da decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos que condenou o Estado brasileiro por não julgar os crimes da ditadura.

Tradução: Katarina Peixoto
"

Isso não se faz...

Isso não se faz...

Murilo Mendes







A mulher anônima

Lembra-te daquela mulher
Que um dia te acenou do alto de uma varanda,
Daquela forma admirável mas sem nome
Que uma tarde te disse adeus
Enquanto o automóvel parou um minuto na estrada.
Lembra-te da mulher pouco decorativa, mulher simples
Que não tiveste coragem de arrancar violento ao espaço
E que certamente nunca mais tornarás a ver:
Lembra-te da bela mulher que estremeceu por ti
E sê-lhe fiel até o último dia da tua vida.

Murilo Mendes (1901-1975)

O LIvro Branco dos Discos Voadores




Este é o primeiro livro que mostra de modo amplo e aberto a trama com que a política das hegemonias tem procurado envolver, monopolizar, abafar e tornar controvertido o problema dos extraterrestres, também conhecido como ufológico ou dos Discos Voadores. Segundo seus autores, cabe grave responsabilidade, pelo despista-mento e pela controvérsia, a largos setores da política e da ciência contemporânea.
A primeira parte do livro, como que um aperitivo, apresenta a pesquisa, com modernos recursos e por uma equipe ufológica local, sobre um caso ocorrido em Mirassol (cidade do Norte Paulista), onde um cidadão foi "sequestrado" durante horas por ufonautas (tripulantes de um Disco Voador).
Gradativamente, ao longo da descrição da pesquisa, vários casos semelhantes da mesma região e depois outros do resto do país são desenrolados perante o leitor, que assim, paulatinamente, vai se familiarizando com os aspectos científicos, filosóficos e políticos do assunto Disco Voador.
Isto, ilustrado ainda por fotos, esquemas e croquis, de maneira que dificilmente o leitor interromperá a leitura sobre problema tão agudo e ao mesmo tempo tão atraente.

Os Autores

WalterKarlBuhler, natural da Alemanha, emigrou parao Brasil em 1933. Médico, diplomado, fez curso de Aplicação do Instituto Osvaldo Cruz. Livre Docente pela Cadeira de Clínica Cirúrgica da Faculdade Nacional de Medicina da Universidade do Brasil. Estudioso do problema ufológico. Fundador da SBEDV, em 1957. Guilherme Pereira, carioca, Engenheiro Mecânico. Seu interesse pela ufologia vem desde os tempos de ginásio e hoje integra a Di-retoria da SBEDV.


O livro faz parte do acervo do Bar do Bulga. É um dos mais interessantes do gênero, publicado pela respeitada Editora Vozes, de Petrópolis. 

Da série...

A vida não é como você pensa...

segunda-feira, junho 27, 2011

Previsão Maringá

Claro
Claro
9°C
Sensação térmica: 8°C
  • Pressão
  • 1020 mb
  • Ponto de Orvalho
  • 2°C
  • Humidade
  • 61%
  • Visibilidade
  • Sem limite
  • Chuvas - última hora
  • NA
  • Chuvas - últimas 24 hrs
  • NA
  • Vento
  • 5 km/h OSO
  • Nascer do sol
  • 07:09
  • Pôr do sol
  • 17:51
  • Índice UV
  • 0 Baixa
Em Maringa
Horário local de Maringá
Previsão para hoje
Hoje
Claro
Claro
Máx.: 14°C
Mín.: 2°C
00: 00
Claro
Claro
4°C
03: 00
Claro
Claro
3°C
06: 00
Claro
Claro
2°C

Zero grau em Maringá

É a previsão para esta terça feira

São 22h03 de segunda-feira: temperatura aqui dentro do apartamento: 9 graus!

Zezé Mota

Hoje é aniversário da Diva...




Maravilha.
worldfredfernades

Bela cançao, otima a cantora,parabens.
Maravilhosa !
LuizCambridge

Extraordinària!!!
garotaquepensa

hermoza y preccioza
rodyestilista

Zezé Motta é uma musa eterna do Brasil em uma época difícil para a maioria dos brasileiros que desfrutaram de seu talento.  Luis Melodia é im-pa-gá-vel quando compôs "Magrelinha", outro eterno do Brasil talento destiladíssimo . E os francêses, como sempre, estão de parabéns pela sensibilidade de ver o melhor da arte Brasil nesta série . Les Français, le meilleures témoins du meilleur du Brésil , merci la France , muito obrigado à França pela sensibilidade artística com esta série.
LadyCaricata

Magrelinha, na voz da Zeze, não tem igual.....
Otavioferr

A melhor intérprete de Melodia! Linda....
Irimari

Zeze es excelente!!! Esta version es mucho mas intensa que la version original... me encanta!
Guillequetzal

Saudade de Zezé Performando nos palcos da Música...
rjapia

Dois milhões de dolares por um vestido



O vestido branco que Marilyn Monroe usou na famosa cena do metrô em 'O Pecado Mora ao Lado' (1955), pode ser arrematado por até US$ 2 milhões em um leilão realizado no dia 18, nos Estados Unidos.

A casa de leilões Profiles in History está tratando a peça como o 'vestido mais famoso da história do cinema', e faz parte de uma coleção da atriz Debbie Reynolds, cujo catálogo total contém 3.5 mil vestidos, 20 mil fotografias originais e várias centenas de pôsteres de filmes e objetos relacionados à indústria cinematográfica.
Fonte eBAND 

Isso lembra a historia de um colega de rádio em Petrópolis que foi ao Rio arrematar um vestido que teria sido usado por Mia Farrow no filme O Grande Gatsby. Ele pagou algo que seria hoje cerca de 3 mil reais. Usou o dinheiro da poupança (para desespero dos pais que economizam a grana para a faculdade do rapaz).  Até hoje não sei do paradeiro do famoso vestido. 







"

Hoje é segunda-feira...

hoje é segunda-feira!

domingo, junho 26, 2011

Acabou o feriadão!

River Plate é rebaixado para a série B




O placar do primeiro jogo da repescagem foi 2 a 0 para o Belgrano de Córdoba, e o segundo foi hoje no Monumental de Nuñez: River Plate 1 x 1 Belgrano. Subiu Belgrano para a Primeira Divisão Argentina e, pela primeira vez na história, caiu o River para a série B. Repare na revolta da torcida.

Bom dia!!

Bom domingo!

Metrô foi uma banda brasileira de new wave e música pop formada em 1979 por cinco amigos/alunos do Lycée Pasteur na Vila Mariana na cidade de São Paulo



Tudo Pode Mudar
Metrô


Nada ultrapassa
A velocidade do amor
Venha de onde vier
Seja como for
Subitamente o tempo
Parece parar
Nada acontece distante
Do teu olhar...
E eu aqui sozinha
Esperando você chegar
Enquanto o digital do relógio
Parece avisar
Ah! Ah!...
Que no balanço das horas
Tudo pode mudar
Que no balanço das horas
Tudo pode mudar...
Eu acho que ele não vem
(Não! Não! Não! Não!)
Ele não vem não!
(Não! Não! Não! Não!)
Ou será que virá?
Ah! Ah! Ah!...
Volto para casa
Fazendo trapaças prá dor
Seja o que Deus quiser
Seja o que for
Me ligo na televisão
Pro tempo passar
Mas todos os anúncios afirmam
Que é bom amar...
E dentro do meu peito
Não tem jeito bate paixão
São dez prá ficar louca
Daqui a pouco posso pirar
Ah! Ah! Uauuu!...
E no balanço das horas
Tudo pode mudar
E no balanço das horas
Tudo pode mudar...
Eu acho que ele não vem
(Não! Não! Não! Não!)
Ele não vem não!
(Não! Não! Não! Não!)
Ou será que virá?
Ah! Ah! Ah!...
E dentro do meu peito
Não tem jeito bate paixão
São dez prá ficar louca
Daqui a pouco posso pirar
Ah! Ah! Uauuu!...
E no balanço das horas
Tudo pode mudar
Oh! Oh!
E no balanço das horas
Tudo pode mudar
Ah! Ah! Au!
E no balanço das horas
Tudo pode mudar
Oh! Oh!
E no balanço das horas
Tudo pode mudar...
Eu acho que ele não vem
(Não! Não! Não! Não!)
Ele não vem não!
(Não! Não! Não! Não!)
Ou será que virá?
Ah! Ah! Ah!
-Sera?

Bom domingo!

sábado, junho 25, 2011

Mário Cesariny





Pastelaria

Afinal o que importa não é a literatura
nem a crítica de arte nem a câmara escura

Afinal o que importa não é bem o negócio
nem o ter dinheiro ao lado de ter horas de ócio

Afinal o que importa não é ser novo e galante
- ele há tanta maneira de compor uma estante

Afinal o que importa é não ter medo: fechar os olhos frente ao precipício
e cair verticalmente no vício

Não é verdade rapaz? E amanhã há bola
antes de haver cinema madame blanche e parola

Que afinal o que importa não é haver gente com fome
porque assim como assim ainda há muita gente que come

Que afinal o que importa é não ter medo
de chamar o gerente e dizer muito alto ao pé de muita gente:
Gerente! Este leite está azedo!

Que afinal o que importa é pôr ao alto a gola do peludo
à saída da pastelaria, e lá fora – ah, lá fora! – rir de tudo

No riso admirável de quem sabe e gosta
ter lavados e muitos dentes brancos à mostra

Mário Cesariny de Vasconcelos (Lisboa, 9 de Agosto de 1923 — Lisboa, 26 de Novembro de 2006) foi pintor e poeta, considerado o principal representante do surrealismo português. É de destacar também o seu trabalho de antologista, compilador e historiador (polémico) das atividades surrealistas em Portugal.

A iiritação de Hermeto Pascoal

Momento trash


1978 - programa Carlos Imperial na extinta  TV Tupi -  A banda ou conjunto em playback esquece o excesso de guitarras no palco. O mais dificil é saber quem é o mais feio..

Rachel Coelho


Nossa! a atual diretora de patrimonio da Secretaria de Cultura de Maringá está chegando
aos trintinha!! Só de imaginar que não faz muito tempo que a conheci como foquinha. E a
festa terá como tema os anos 80.  Vou ficar preocupado quando for convidado para uma
festa dos anos 90 ou anos 2000. Rachel, você merece tudo de bom!

sexta-feira, junho 24, 2011

O desabafo da turista

Com o título Como uma companhia aérea pode quase arruinar uma viagem!, Vanessa Bellei tacou a lenha na desorganização das companhias e aeroportos. O bom das coisas erradas é que depois do susto a gente sempre tem uma historia diferente pra contar. Confira abaixo o desabafo da turista e pauteira da RIC Record Maringá. Junto com o marido, foi fazer um tour mochila pela Europa.
A viagem de ida foi muito boa. O problema na volta começou em Madrid,na Espanha. Havíamos saído de Munique, na Alemanha, no horário. Faríamos uma escala de uma hora e meia em Madrid e partiríamos para São Paulo. Ao descermos no aeroporto Barajas, em Madrid, percebemos que algo já estava estranho. A aeronave ficou mais de meia-hora sobrevoando o aeroporto e nada de descer, depois um barulho estranho começou na parte de fora da nave e, já em solo, o avião ficou uns 20 minutos zanzando pelo pátio do aeroporto. Mas, tudo bem, estávamos bem e já em solo espanhol. Nosso próximo vôo com destino ao Brasil sairia a 00:40, mas logo que entramos no aeroporto ficamos sabendo que o vôo estava atrasado mais de 12 horas, isso mesmo minha gente, 12 HORAS. Só sairíamos às 13 horas do outro dia. Motivo? Bem, a desculpa que nos deram é que o piloto havia passado mal. Peraí: uma empresa gigante, estando no país de origem, não está preparada para esses probleminhas corriqueiros? Ai gente, minha vontade era subir no balcão da Ibéria e gritar muito. .
Leia mais AQUI

Enigma...

Pra que lado a moça do meio está girando? Ela acompanha a colega da direita ou a da esquerda?

TIME OUT - os 50 melhores filmes de Monstros


Por ocasião do lançamento do (fraco) filme "O lobisomem" de Joe Johnston (2010), a Time Out elaborou a sua lista dos 50 melhores filmes de monstros (Time Out's 50 greatest monster movies).
"Nosso maior desafio na construção da lista foi decidir exatamente o que constituía um 'monstro'. Resolvemos logo descartar os zumbis, que são basicamente as pessoas, e os vampiros, principalmente porque boa parte deste gênero tem características próprias, e nós quisemos dar espaço para todos os coelhos assassinos, as plantas assassinas, peixes e sobremesas assassinas que esta lista exigia. Amistosamente, alienígenas sencientes como ET e Chewbacca também foram deixados de fora, e vamos chamar quem discorda disso de racista." (Fonte: Sala de Exibição)

A lista:

01. A mosca (David Cronenberg, 1986) *

02. Tubarão (Steven Spielberg, 1975) *

03. Sangue de pantera (Jacques Tourneur, 1942) *

04. Alien - o oitavo passageiro (Ridley Scott , 1979) *

05. O enigma do outro mundo (John Carpenter, 1982)

06. King Kong (Mervin C. Cooper, 1933) *

07. Frankenstein (James Whale, 1931)  *

08. A morte do demônio (Sam Raimi, 1981)*
08. Uma noite alucinante 2 (Sam Raimi, 1987)

09. Godzilla (Ishirô Honda, 1954)

10. Um lobisomem americano em Londres (John Landis, 1981)*

11. Q: The Winged Serpent (Larry Cohen, 1981)

12. O médico e o monstro (Rouben Mamoulian, 1932)*

13. Society (Brian Yuzna, 1989)

14. Jurassic Park - parque dos dinossauros (Steven Spielberg, 1993)*

15. La Bête (Walerian Borowczyk, 1975)

16. Gremlins (Joe Dante, 1984)*

17. O predador (John McTiernan, 1987)

18. Monstros S.A (Peter Docter, 2001)

19. Hellraiser - renascido do inferno (Clive Barker, 1987)

20. O hospedeiro (Joon-ho Bong, 2006

21. The Creature from the Black Lagoon (Jack Arnold, 1954)*

22. Piranha (Joe Dante, 1978)*

23. O labirinto do fauno (Guillermo del Toro, 2006) *

24. Tremors (Ron Underwood, 1990)

25. The Mist (Frank Darabont, 2007)

26. The Stuff (Larry Cohen, 1985) *

27. Re-animator (Stuart Gordon, 1985)

28. Hellboy (Guillermo del Toro, 2004)

29. Cloverfield - monstro (Matt Reeves, 2008)

30. A ilha das almas selvagens (Erle C. Kenton, 1932)

31. Basket case (Frank Henenlotter, 1982)

32. A múmia (Karl Freund, 1932) *

33. Pitch Black (David Twohy, 2000)

34. O lobisomem (George Waggner, 1941) *

35. Lake Placid (Steve Miner, 1999)

36. The Blob (Irvin S Yeaworth, 1958)

37. Little Shop of Horrors (Frank Oz, 1985)

38. Jeepers Creepers (Victor Salva, 2001)

39. Grito de horror (Joe Dante, 1981) *

40. The Monster Squad (Fred Dekker, 1987)

41. Swamp Thing (Wes Craven, 1982)

42. Willow (Ron Howard, 1988)

43. O vingador tóxico (Michael Herz - Lloyd Kaufman, 1984)

44. The Valley of Gwangi (Jim O’Connolly, 1969)

45. Dragonslayer (Matthew Robbins, 1981)

46. Pete’s Dragon (Don Chaffey, 1977)

47. The Day of the Triffids (Steve Sekely, 1962)

48. Legend (Ridley Scott, 1985)

49. Nightbreed (Clive Barker, 1992)

50. Night of the Lepus (William F Claxton, 1972)

Os filmes com asterisco estão no acervo do Bar do Bulga

A Construção da Personagem


Konstantin Stanislávski

(...)
"Suba ao palco e diga uma sentença qualquer ou invente uma historieta, como por exemplo: "Ainda agora estive em casa de Ivan Ivanóvitch. Ele está num estado terrível, a mulher o abandonou. Tive
de ir à casa de Pedro Petróvitch para contar o que aconteceu e implorar-lhe que me ajude a acalmar o pobre coitado".
Paulo disse as sentenças mas não causou impressão satisfatória, por isso Tósrtov explicou:
– Eu não acreditei numa só palavra do que você disse e não senti o que pretendeu transmitir a mim com essas palavras que não eram suas. Mas como é que poderia dizê-las com sinceridade sem o
apoio de circunstâncias imaginárias? Você tinha primeiro de conhecê-las e fazer delas uma imagem mental. Mas agora nem sabe nem vê o que sugerem aquelas palavras que eu lhe dei sobre Ivan
Ivanóvitch e Pedro Petróvitch. Você precisa imaginar uma base qualquer para as palavras, como justificação para dizê-las. Ainda mais, precisa formar para si mesmo uma imagem nítida daquilo que a
sua imaginação sugere. Quando tiver preenchido tudo isto, então as palavras de outra pessoa se tornam suas, justamente aquelas de que precisa e você saberá exatamente quem são Ivan Ivanóvitch,
abandonado pela mulher, e Pedro Petróvitch, onde e como vivem e qual a relação que existe entre eles. Aí eles serão pessoas verdadeiras para você. Não se esqueça de fazer uma cuidadosa vistoria
mental do apartamento, a disposição dos quartos, o mobiliário, os pequenos objetos que houver por lá. Fará também o percurso, primeiro até a casa de Ivan Ivanóvitch e, da casa dele, até a de Pedro
Petróvitch e daí o regresso até o local onde terá de narrar a sua história.
– Durante esse tempo, terá de ver as ruas pelas quais irá passando, as entradas das casas que visitará. Em suma, terá de inventar todo um filme de imagens mentais, um subtexto que se irá
desenrolando com toda espécie de cenários e circunstâncias e diante dele a tragédia doméstica de Ivan Ivanóvitch, baseado nas palavras que recebeu para dizer, poderá ser representada. Essas
imagens anteriores criarão um estado de espírito que, por sua vez, moverá os seus sentimentos. Você sabe que a vida lhe faz tudo isso fora de cena, mas em cena é você, o ator, que tem de
preparar as circunstâncias."
(...)

STANISLAVSKI, Constantin. A Construção da Personagem. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1994, pág. 143

Raísa Marcondes

Raisa Marcondes marca presença no Bar do Bulga nesta sexta, 24 de junho,
quando ela completa 23 anos. Estudante do Cesumar, ela ajuda da produção
do programa Cinema Falado 

quarta-feira, junho 22, 2011

Bom feriadão!!

Olhando pra trás, me lembro que cheguei a brincar com skate, não propriamente um skatista. Na época, a moda eram os skates importados, Hang Ten. No Brasil, alguns tinham que se contentar com os skates da Bandeirantes, uma empresa de brinquedos.
Sem medo, descíamos as ladeiras do Bingen, em Petrópolis.


Carving the Mountains from Juan Rayos on Vimeo.

Cibele Chacon

A mais nova coleguinha Cibele Chacon (nome super sonoro) que completa
24 aninhos hoje e com quem eu divido o programa Cinema Falado na
Rádio Cesumar ao lado do Elton Telles.

Conheço um lugar...

Curitiba, Paraná, Brasil

terça-feira, junho 21, 2011

Encontros históricos

Akira Kurosawa, Sydney Pollack, Barbra Streisand e John Huston

O Cinema Petrópolis

Fachada atual do cinema que virou igreja

Escadas para o balcão

Fonte Instituto Historico de Petrópolis - Pesquisa: Joaquim Eloi dos Santos

A "Tribuna de Petrópolis", edição de 4 de abril de 1944, assim noticiou o expressivo acontecimento do dia:

"INAUGURA-SE HOJE O TEATRO PETRÓPOLIS

"Em "avant-première" será exibido o tecnicolor "O Fantasma da Ópera", em benefício da Maternidade de Petrópolis.

"Inaugura-se hoje o Teatro Petrópolis com uma única sessão, às 20,30 horas, quando será exibido o filme em tecnicolor "O Fantasma da Ópera", com Nelson Eddy, Susana Foster e Claude Rains.


"A solenidade festiva da reentrada ao público da tradicional casa de diversões, completamente remodelada, dotada que foi com um magnífico salão de projeções tipo Metro e poltronas estofadas, constituirá, por certo, o grande acontecimento mundano da "saison" devendo a renda da bilheteria, num gesto generoso do Sr. Luiz Severiano Ribeiro, reverter em benefício da Maternidade de Petrópolis, tendo aquele empresário cinematográfico convidado para patrocinar o ato as exmas.sras. Alzira Vargas do Amaral Peixoto e Branca Alves".
Entrada onde ficava a bilheteria