sexta-feira, dezembro 23, 2016

O natal quer ver todo mundo bem.


O natal quer ver todo mundo bem.
Vitrines, luzes, árvores, comércio, décimo terceiro.
 Crianças e presentes. 
É assim nessa época do ano. 
 Na tevê, no letreiro, no outdoor. 
O Natal quer todo mundo bem. 
As calçadas cheias. O comércio. 
Famílias fazem ceia, almoço. 
Há sempre um papai noel por perto... 
Arvores devidamente decoradas. 
Milhões de lâmpadas. Quem você tirou de amigo secreto?  
A vida se agita perante o Natal. 
Nesse dia, um sentimento de reunião, 
                  de agradecimento, de colaboração. 
E uma certa melancolia, talvez. 
Quem é  aquele que acende  a fraca lâmpada na varanda 
                                  da singela casa como se esperasse alguém que com certeza nunca virá para a ceia dos ausentes? 
Ou aquele funcionário que em seu trabalho 
                  passará a madrugada abrindo os portões
                                           para os que vão para a grande fartura? 
Ele não será convidado para a ceia ou só vamos desejar-lhe boas festas?
Policiais em vigília. 
Enfermeiras de plantão. 
Voluntários que consolam pacientes. 
Os doentes que na solidão do leito hospitalar 
                          buscam  um rasgo de lua pela janela entreaberta...    
E as cartinhas nos correios? 
Quem não quer doar um brinquedo 
                                a ponto de mudar o próprio conceito 
                                       de que somos nós que acreditamos no próprio Papai Noel?
E quem são aqueles que buscam pelo lixo 
                                       as sobras da grande festa? 
                 Eles que estavam ali durante todo o ano, 
                                 mas que hoje, justamente hoje,  
                                               ali não deveriam estar. É que o Natal quer todo mundo bem.

É quando parte aquela vontade, 
                                 de dar a mão a cada irmão, numa fraternidade. 
                        Sejamos, então, ingênuos. 
                                Vamos pedir paz no meio da guerra, 
                                        entre a torcida e os torcedores, 
                                                     os vitoriosos e os perdedores. 
A ingenuidade é um direito nosso. 
Hoje é dia de festa.
É um momento em que se perdoa toda  a humanidade. 
E o momento em que nós nos perdoamos. 
Pois hoje é Natal.  
E o Natal quer todo mundo bem. 
O Natal quer ser feliz e o  ano quer ser próspero. 
 E bem que a gente merece. 
(Marcelo Bulgarelli)

Nenhum comentário :