quarta-feira, dezembro 14, 2016

Há 20 anos : "Arcebispo do PR quer excomungar juiz"

Título original:   Arcebispo do PR quer excomungar juiz               
Data:     14/Dez/96         
Autor:   José Maschio   
Editoria: Cotidiano           
Folha de São Paulo

Justiça de Maringá autorizou pais a realizarem aborto de feto com anancefalia
Arcebispo do PR quer excomungar juiz

JOSÉ MASCHIO
da Agência Folha, em Londrina

O arcebispo dom Jaime Luiz Coelho, 81, ameaça com excomunhão todos os envolvidos em uma autorização judicial para um aborto, em Maringá (420 km a noroeste de Curitiba), no Paraná.
O pedido de aborto foi feito à Justiça por um casal de Maringá após a constatação de que o feto sofria de anencefalia -falta de cérebro. A autorização judicial foi dada em 4 de dezembro. O país já teve mais de 350 autorizações semelhantes.
O juiz Luiz Carlos Gabardo, 40, disse que deferiu o pedido de interrupção da gravidez de acordo com sua consciência e "interesse social". Ele disse que subsidiou sua argumentação em entrevista do padre Márcio Fabri, da Cúria Metropolitana de São Paulo, publicada em parte dos exemplares da Folha de 3 de dezembro sob o título "Igreja admite aborto por má-formação".
A reportagem foi retificada após a Folha ter conseguido falar com a irmã Fernanda Balan, da Pastoral da Família da CNBB, que afirmou que a Igreja Católica não aceita o aborto em situação alguma.
A reportagem voltou a falar com o padre Fabri, que nessa segunda entrevista afirmou que a aceitação do aborto em certas circunstâncias era defendida apenas por parte dos teólogos.
Na edição do dia 5 foi publicado um "erramos" afirmando que diferentemente do publicado, "a Igreja Católica condena a interrupção da gravidez em todos os casos e apenas alguns teólogos aceitam o aborto quando há má-formação grave do feto".
Direito Canônico
No último dia 11, o arcebispo de Maringá publicou nota em jornais sobre o caso. Ontem, Coelho disse à Agência Folha que "todos que tiverem participação sofrerão a excomunhão". "O Código de Direito Canônico e a Legislação Canônica são claros. Quem procurar o aborto, incluindo cúmplices, será automaticamente excomungado."
Segundo o arcebispo, correm o risco o juiz, o promotor, o advogado do casal e o próprio casal, além de médicos e enfermeiras.
Promotores públicos distribuíram nota em solidariedade ao juiz e ao promotor, chamando o arcebispo de "ultraconservador".
Coelho disse que agradecia a designação. "Defendo uma doutrina que tem mais de 2.000 anos."
Católico praticante, Gabardo afirmou que continuará indo a missas. O advogado César Augusto Moreno, que entrou com o pedido de aborto, disse que a polêmica abalou muito o casal. Segundo ele, a data da cirurgia para retirada do feto ainda não foi marcada.



 Copyright © 1994-1999 Empresa Folha da Manhã S/A

Nenhum comentário :