sexta-feira, novembro 11, 2016

Di Melo

Chegou à São Paulo no final da década de 1960 numa das muitas levas de migrantes nordestinos que foram para São Paulo naquela época. Iniciou a carreira artística cantando na noite paulistana. Em 1975 gravou seu único LP que levava seu nome como título. O disco contou com as participações de Hermeto Pascoal nas flautas e teclado; Heraldo do Monte nas violas e violões; Cláudio Beltrame, no contrabaixo; Ubirajara Chalar, pai de Taiguara, no bandoneon;. Dirceu na bateria; Bolão, no sax; Capitão, no piston, e arranjos e violão do maestro Geraldo Vesper. Após o lançamento do primeiro disco sua carreira declinou e ele retornou para a cidade de Recife.

 Na década de 1990, o LP "Di Melo" tornou-se sucesso entre os DJs na Europa devido à inclusão da faixa "A vida em seus métodos diz calma", de sua autoria na coletânea "Blue Brazil" da gravadora norte americana Blue Note. Segundo o próprio artista em entrevista ao jornal O Globo, "Encontrei o vinil desse disco numa loja da Holanda, há alguns anos, à venda por um dinheirão. Quando me apresentei ao vendedor, ele quase caiu para trás. Disse que adorava minhas músicas, mas que achava que eu tinha morrido. Eu disse que era "imorrível", mas ele não entendeu direito".

 Sua fama de "imorrível" surgiu na década de 1980, quando havia abandonado a carreira artística e sofreu um grave acidente de moto que o levou a ficar bastante tempo internado. Quando voltou a São Paulo um tempo depois soube que corria a notícia de que ele havia morrido. Foi quando criou a expressão de que era "imorrível". 

Em 2002, o LP "Di Melo" foi relançado em CD dentro da coleção "Odeon 100 anos".  Segundo o coordenador do projeto, o músico Charles Gavin, "Esse disco é realmente incrível. Ele tem uma coisa rara por aqui, que é o clavinete, instrumento usado por Steve Wonder e outros astros do soul e funk dos anos 1970. Ele dá um balanço todo especial ao disco. E deve ser destacado o fato de ele ter sido muito bem gravado para a época. O som é ótimo."

 Depois de um longo tempo afastado da vida artística voltou a cantar na noite e a se dedicar às artes plásticas. Em 2009 voltou a Pernambuco para participar de um festival em Garanhuns e conheceu os fãs Alan Oliveira, de Recife, e Rubens Pássaro, de São Paulo, que possuíam projetos independentes de fazer um filme sobre o ídolo. O filme foi lançado em agosto de 2011. 
Em 2010, apresentou-se no viradão cultural em São Paulo. Tornou-se cultuado por vários rappers, como Emicida. Em 2011, fez uma rápida aparição no vídeo da música "Don´t stop the party" do grupo Black Eyed Pays, que mostra um clipe do raro LP "Di Melo". 


Nenhum comentário :