terça-feira, agosto 23, 2016

Os 100 grandes filmes do século 21 segundo a BBC

100. Toni Erdmann (Maren Ade, 2016)
100. Requiem for a Dream (Darren Aronofsky, 2000)
100. Carlos (Olivier Assayas, 2010)
99. The Gleaners and I (Agnès Varda, 2000)
98. Ten (Abbas Kiarostami, 2002)
97. White Material (Claire Denis, 2009)
96. Finding Nemo (Andrew Stanton, 2003)
95. Moonrise Kingdom (Wes Anderson, 2012)
94. Let the Right One In (Tomas Alfredson, 2008)
93. Ratatouille (Brad Bird, 2007)
92. The Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford (Andrew Dominik, 2007)
91. The Secret in Their Eyes (Juan José Campanella, 2009)
90. The Pianist (Roman Polanski, 2002)
89. The Headless Woman (Lucrecia Martel, 2008)
88. Spotlight (Tom McCarthy, 2015)
87. Amélie (Jean-Pierre Jeunet, 2001)
86. Far From Heaven (Todd Haynes, 2002)
85. A Prophet (Jacques Audiard, 2009)
84. Her (Spike Jonze, 2013)
83. A.I. Artificial Intelligence (Steven Spielberg, 2001)
82. A Serious Man (Joel and Ethan Coen, 2009)
81. Shame (Steve McQueen, 2011)
80. The Return (Andrey Zvyagintsev, 2003)
79. Almost Famous (Cameron Crowe, 2000)
78. The Wolf of Wall Street (Martin Scorsese, 2013)
77. The Diving Bell and the Butterfly (Julian Schnabel, 2007)
76. Dogville (Lars von Trier, 2003)
75. Inherent Vice (Paul Thomas Anderson, 2014)
74. Spring Breakers (Harmony Korine, 2012)
73. Before Sunset (Richard Linklater, 2004)
72. Only Lovers Left Alive (Jim Jarmusch, 2013)
71. Tabu (Miguel Gomes, 2012)
70. Stories We Tell (Sarah Polley, 2012)
69. Carol (Todd Haynes, 2015)
68. The Royal Tenenbaums (Wes Anderson, 2001)
67. The Hurt Locker (Kathryn Bigelow, 2008)
66. Spring, Summer, Fall, Winter…and Spring (Kim Ki-duk, 2003)
65. Fish Tank (Andrea Arnold, 2009)
64. The Great Beauty (Paolo Sorrentino, 2013)
63. The Turin Horse (Béla Tarr and Ágnes Hranitzky, 2011)
62. Inglourious Basterds (Quentin Tarantino, 2009)
61. Under the Skin (Jonathan Glazer, 2013)
60. Syndromes and a Century (Apichatpong Weerasethakul, 2006)
59. A History of Violence (David Cronenberg, 2005)
58. Moolaadé (Ousmane Sembène, 2004)
57. Zero Dark Thirty (Kathryn Bigelow, 2012)
56. Werckmeister Harmonies (Béla Tarr, director; Ágnes Hranitzky, co-director, 2000)
55. Ida (Paweł Pawlikowski, 2013)
54. Once Upon a Time in Anatolia (Nuri Bilge Ceylan, 2011)
53. Moulin Rouge! (Baz Luhrmann, 2001)
52. Tropical Malady (Apichatpong Weerasethakul, 2004)
51. Inception (Christopher Nolan, 2010)
50. The Assassin (Hou Hsiao-hsien, 2015)
49. Goodbye to Language (Jean-Luc Godard, 2014)
48. Brooklyn (John Crowley, 2015)
47. Leviathan (Andrey Zvyagintsev, 2014)
46. Certified Copy (Abbas Kiarostami, 2010)
45. Blue Is the Warmest Color (Abdellatif Kechiche, 2013)
44. 12 Years a Slave (Steve McQueen, 2013)
43. Melancholia (Lars von Trier, 2011)
42. Amour (Michael Haneke, 2012)
41. Inside Out (Pete Docter, 2015)
40. Brokeback Mountain (Ang Lee, 2005)
39. The New World (Terrence Malick, 2005)
38. City of God (Fernando Meirelles and Kátia Lund, 2002)
37. Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives (Apichatpong Weerasethakul, 2010)
36. Timbuktu (Abderrahmane Sissako, 2014)
35. Crouching Tiger, Hidden Dragon (Ang Lee, 2000)
34. Son of Saul (László Nemes, 2015)
33. The Dark Knight (Christopher Nolan, 2008)
32. The Lives of Others (Florian Henckel von Donnersmarck, 2006)
31. Margaret (Kenneth Lonergan, 2011)
30. Oldboy (Park Chan-wook, 2003)
29. WALL-E (Andrew Stanton, 2008)
28. Talk to Her (Pedro Almodóvar, 2002)
27. The Social Network (David Fincher, 2010)
26. 25th Hour (Spike Lee, 2002)
25. ​Memento (Christopher Nolan, 2000)
24. The Master (Paul Thomas Anderson, 2012)
23. Caché (Michael Haneke, 2005)
22. Lost in Translation (Sofia Coppola, 2003)
21. The Grand Budapest Hotel (Wes Anderson, 2014)
20. Synecdoche, New York (Charlie Kaufman, 2008)
19. Mad Max: Fury Road (George Miller, 2015)
18. The White Ribbon (Michael Haneke, 2009)
17. Pan's Labyrinth (Guillermo Del Toro, 2006)
16. Holy Motors (Leos Carax, 2012)
15. 4 Months, 3 Weeks and 2 Days (Cristian Mungiu, 2007)
14. The Act of Killing (Joshua Oppenheimer, 2012)
13. Children of Men (Alfonso Cuarón, 2006)
12. Zodiac (David Fincher, 2007)
11. Inside Llewyn Davis (Joel and Ethan Coen, 2013)
10. No Country for Old Men (Joel and Ethan Coen, 2007)
9. A Separation (Asghar Farhadi, 2011)
8. Yi Yi: A One and a Two (Edward Yang, 2000)
7. The Tree of Life (Terrence Malick, 2011)
6. Eternal Sunshine of the Spotless Mind (Michel Gondry, 2004)
5. Boyhood (Richard Linklater, 2014)
4. Spirited Away (Hayao Miyazaki, 2001)
3. There Will Be Blood (Paul Thomas Anderson, 2007)
2. In the Mood for Love (Wong Kar-wai, 2000)
1. Mulholland Drive (David Lynch, 2001)

segunda-feira, agosto 22, 2016

Paulinho Moska


Honor Blackman





Feliz Aniversário Honor Blackman (Londres, 22/08/1925). Ficou famosa na série de da Tv britânica Os Vingadores e pela bond girl 'Pussy Galore' de 007 contra Goldfinger, realizados nos anos 1960. Honor continua sendo a mais velha de todas as bond girls dos filmes oficiais da série, com 37 anos quando participou de Goldfinger

domingo, agosto 21, 2016

O Rio de Janeiro de Alexandra Lucas Coelho

Alexandra Lucas Coelho - Jornalista portuguesa 

RIO - Vou deixar o Rio de Janeiro daqui a três semanas, ao fim de três anos e meio. É 2014, ano de Copa do Mundo, de nãovaitercopa, de eleição presidencial, do cinquentenário do golpe: o mundo de olhos no Rio e eu, que escrevo uma coluna semanal do Rio, e estou a tentar escrever um romance sobre o Rio, deixando a cidade voluntariamente. Não há nenhuma razão natural para deixar o Rio, só razões naturais para ficar, as que toda a gente conhece mais esta: é fortalecedor morar em cidades que contradizem a nossa natureza e esse é o meu caso com o Rio. Então, a única razão que há para partir é não-natural, a mesma que faz o mundo olhar para cá, o Rio ter sido tomado pela narrativa do triunfo.
Eu não tenho dinheiro para um apartamento no Rio agora, ou para ter esse dinheiro teria de passar todo o tempo a tentar arrumá-lo, e não quero morar numa cidade em que todo o tempo seja gasto tentando arrumar dinheiro para morar lá. Uma cidade, entretanto, na qual ser branco já é ser rico, ser negro já é ser pobre, e em que rico ou pobre é estimulado a parcelar tudo no cartão de crédito, até ao colapso do trânsito, da falha de energia, da falta de água: certamente a cidade mais bela do mundo capitalista. Como o Rio não vai perder os seus poetas? Como a floresta não vai virar um safári? Como o morro não venderá a vista?



Não está gostando?, perguntam-me os cariocas quando digo que vou deixar o Rio. Claro que estou gostando, não tem como estar vivo e não gostar do Rio: saio à rua e agradeço, dobro a esquina e é uma bênção. Meu Rio de Janeiro do céu vermelho-pitanga, do chão de mangas maduras do Cosme Velho onde morei 24 meses e perdi o medo de cães para sempre, por causa de duas cachorras, uma delas cega. Havia um ponto, entre duas árvores, de onde se via o Cristo, mas só quando comecei a subir ao morro, Cerro Corá-Guararapes, é que vi de quem o Cristo está realmente próximo. Ainda não havia carros da Polícia Militar no começo da minha ladeira, nem as instalações da UPP lá em cima, nem obrigação de usar capacete sempre que subíamos de mototáxi, mas o lixo era o mesmo que agora, a mesma podridão empilhada na berma. Como é que era mesmo, UPP social? Da janela de casa, duas vezes por dia, ouvia a Ave-Maria de Schubert que vinha (ainda virá?) da Igreja de São Judas Tadeu, e aos sábados, aos domingos, por vezes igrejas evangélicas, de noite por vezes vezes funk, mais vezes samba, sobretudo os foguetes que faziam as cachorras derrubar portas e janelas para chegarem até mim, trémulas. O amor começa bem lá no fim do medo.
A bênção São Sebastião do Rio de Janeiro, nunca acabarei de agradecer o dom de ficar tão vivo apesar de toda a morte, toda a violência, todo o abandono, esse deus-dará que milhões de cariocas conhecem desde que nasceram, e é seu, meu, contemporâneo, eu que já sou daqui, porque aqui já sou eu. Então, arruma aí tuas contas, teus condomínios, tuas grades de ferro, tua trava no pescoço de um garoto de rua nu, e me chama que eu venho em visita. Virei sempre.

 
© 1996 - 2016. O Globo 

Yvonne Craig

Yvonne Joyce Craig (Taylorville16 de maio de 1937 - Los Angeles17 de agosto de 2015) foi imortalizada no papel de Barbara Gordon / Batgirl no seriado  Batman, da década de 1960. Fez também a escrava de Orión do seriado Star Trek/ Jornada nas Estrelas (também da década de 1960); e trabalhou ao lado de Elvis Presley nos filmes It Happened at the World's Fair e Kissin' Cousins.


Yvonne Craig com Elvis Presley


segunda-feira, agosto 15, 2016

Gilberto Gil


O homem que atropelou Santos Dumont.

O homem que atropelou Santos Dumont. A materia foi publicada em novembro de 1971
no Jornal de Petrópolis. Conta que Aladino Washington Viana estava numa bicicleta
quando atropelou o "pai da aviação", Viana  contava quase 100 anos quando contou
a história para o jornal petropolitano.

Rene Magritte

René François Ghislain Magritte (Lessines, 21 de Novembro de 1898 ― Bruxelas, 15 de Agosto de 1967) foi um dos principais artistas surrealistas belgas, ao lado de Paul Delvaux. : tumblr_nmspoaK4HK1s5u2cno1_r1_500.jpg







tumblr_nmspoaK4HK1s5u2cno2_r1_500.jpg







tumblr_nmspoaK4HK1s5u2cno3_r1_500.jpg







tumblr_nmspoaK4HK1s5u2cno4_r1_500.jpg







tumblr_nmspoaK4HK1s5u2cno5_r1_500.jpg







tumblr_nmspoaK4HK1s5u2cno6_r1_500.jpg







tumblr_nmspoaK4HK1s5u2cno7_r1_500.jpg







tumblr_nmspoaK4HK1s5u2cno8_r1_500.jpg







Rene Magritte ~ “A Collection of Clouds




  1. Clear Ideas (1958) 

  2. Beautiful World (1962) 

  3. The Battle of Argonne (1959) 

  4. The Heartstrings (1960) 

  5. The Infinite Recognition (1963) 

  6. The Return (1940) 

  7. The Victory (1939) 

  8. The Castle of the Pyrenees (1959)

“My painting is visible images which conceal nothing…they evoke
mystery and indeed when one sees one of my pictures, one asks oneself
this simple question ‘what does that mean’? It does not mean anything,
because mystery means nothing either, it is unknowable.”
 ~ Rene Magritte