sexta-feira, julho 11, 2014

A repugnante elite dos aeroportos ( e dos estádios e tudo mais…)



Rosana Pinheiro Machado em seu blog

Voltar ao Brasil para mim é sempre um pesadelo logístico. E acreditem, não porque eu tenho medo danado de avião, mas porque tenho que aguentar o comportamento de meus compatriotas nas filas de embarque.

Quem tem que viajar seguido, especialmente passando pelos aeroportos dos Estados Unidos e da Europa, tem uma bela amostra do pior espírito da pior classe média brasileira. Aquela mesma que manda a Presidenta tomar no cú, que chamava rolezinho de arrastão e que acha que pobre negro tem mesmo é que ser espancado e amarrado em poste. Como bem descreveu Marilena Chauí, a classe média violenta, ignorante, fascista e arrogante.

Antes de prosseguir, apenas um lembrete a alguns leitores. Meu espelho me diz que eu sou branca e de classe média. Eu me refiro a um tipo bem específico, mas que infelizmente representa uma grande parte da população brasileira.

Refiro-me àquele grupo que vive pelo consumo e, por ser um consumidor, acredita estender sua lógica da comoditização ao campo da vida coletiva, sendo um ser detentor de direitos e privilégios individuais. Acima do bem e do mal, é claro. Esse ser “cordial” já foi demasiadamente explorado pela sociologia e antropologia: de Sérgio Buarque de Holanda à Roberta da Matta: personalista, patrimonialista, e todos os piores ISMOS que formam uma espécie única burguesa que, no senso estrito do termo, não é burguesa nem liberal, mas algo que mistura uma elite emergente com uma aristocracia falida. Algo que somente só pode acontecer em um país cuja burguesia não fez ainda a revolução burguesa, e é ainda dominado no congresso por uma bancada ruralista. Entre outras coisas bizarras advindas de um passado recente calcado na ditadura, na violência e na tortura, mas todos aplaudiam (e continuam aplaudindo) a seleção brasileira com lágrima nos olhos.

***

Aeroporto do Heathrow, Londres

Normas internacionais estabelecem padrões de tamanho e peso de mala de mão. Chega uma família com malas enormes e a senhora do check-in gentilmente explica que ela não pode embarcar com aquele tamanho todo. Ela explica que existe uma taxa a ser paga para despachar o excesso. A passageira explica que já gastou todo o limite de seu cartão de crédito e que não pode pagar. A funcionária diz, então, que ela terá que deixar as coisas de lado. Começa a lamentação: isso é um absurdo! A funcionária mantém-se calma, dizendo sinto muito, senhora. Depois, vieram os gritos: eu vou para a justiça, neste país as coisas se resolvem na justiça. Não é como no Brasil! Vou recuperar tudo na justiça, todos os meus perfumes. E ela tirava fotos das malas tamanho super plus dizendo que era uma prova para a justiça. Apontava para a minha mala de mão e dizia que a minha era maior (sim, porque não basta ser ignorante, tem que ser igualmente filha da puta). Eu calmamente disse: minha senhora, a minha mala de mão atende a padrões universais permitidos, e voltei a ouvir música. Muitos outros passageiros se comoveram com o assassinato dos perfumes e começaram a gritar: é um absurdo, essa TAP. Aos berros e cercando a funcionária, eles massacraram-na.

Aeroporto de Lisboa. Conexão.

Um voo para Brasília atrasa. Começa a gritaria e aquela cena típica, na qual cada grita gritando para um lado e quer ser ouvido, mas ninguém ouve o que o outro tem a dizer. Pessoas bem vestidas novamente cercam a funcionária que está apenas comunicando que o voo atrasou.

- Isso é um A-B-S-U-R-D-O! (como aquela fúria da coxinha de ossobuco…)

– Se fosse no Brasil, a gente entenderia, porque lá nada funciona. Mas na Europa?

– Moça, eu tenho um compromisso imperdível. E vou processar a TAP.

A fila se desorganiza e todo mundo fala ao mesmo tempo com a funcionária. Ninguém age coletivamente, as pessoas apenas começam a dizer que o seu compromisso no Brasil é mais importante do que qualquer outra coisa. Os estrangeiros e os outros brasileiros que não pertencem à elite-coxa ficavam bravos, balançavam a cabeça, mas pareciam entender que era preciso, simplesmente, esperar. Não adiantava dizer que é amigo do rei, porque o avião não chegaria mais cedo por causa disso.

Entro na fila do voo para Porto Alegre e observo meus conterrâneos. Entramos todos numa salinha após o embarque. Quando a elite-coxa viu que entraríamos em um ônibus, e não direto na aeronave, começou mais uma gritaria desorganizada: e não é nem no Brasil! Pessoas visivelmente nervosas falavam sozinhas e faziam seus pequenos protestos anti-Brasil (ainda que o problema acontecesse em Portugal). É por isso que eu vou torcer contra o Brasil hoje, disse uma mulher. Ela continuava: não pode ganhar! Essa gente do bolsa família, cega, ignorante vai se encachaçar e esquecer dos problemas do Brasil. Ela vê um grupo de jovens ao meu lado e nos dirige a palavra de forma soberana: São vocês, jovens, que precisam mudar isso, vocês tem que ir para rua.

Já no ônibus que levava à aeronave, essa senhora ela teve a brilhante ideia de continuar a protestar no busão e começou a gritar “NÓS ESTAMOS INDO PARA UMA DITADURA COMUNISTA E NINGUÉM ESTÁ VENDO. NINGUÉM ESTÁ VENDO”. As sardinhas espremidas se identificaram e, então, cada um falava por si: é verdade, é verdade. Enquanto isso, eu pensava que não demoraria mais do que 40 segundos para eu sair correndo daquele veículo.

A mulher continuou: eu ia para as ruas para lutar contra a ditadura e agora são vocês que têm que ir, porque hoje é pior que a ditadura. É tudo pro pobre! (Eu: poxa deve ser por isso que o pobre não está viajando para a Europa e você está, porque realmente é muito difícil a vida da classe média). As pessoas começaram a falar, como de costume, cada um para um lado.
Que se foda a seleção. Esse país é uma merda
Se eu pudesse eu não morava no Brasil.
Nem eu!
Nem eu!
Nem eu!

(Eu: Boa ideia! Isso! Vão embora, mas não voltem!)

Finalmente, a lata de sardinha se abriu e todo mundo começa a correr e a se atropelar para entrar na escada do avião. Um pisa por cima do outro, como se os assentos não fossem marcados. Afinal, trata-se de gente muito phyna.

Meu lugar é o último da fileira de um compartimento do avião. Do meu lado, senta um casal, que reclamou que seus assentos reclinam menos que os dos outros. O avião Estava lotado. Chamam a comissária, e eu: não! chega por hoje! O marido disse: Meu assento blá blá blá e isso e aquilo. E a funcionária gentilmente explica que era apenas impressão, pois o assento reclinava igual aos outros. Daí o passageiro super-prejudicado largou a máxima:Eu vou reclamar com o piloto! Nesse momento, eu pensei que era uma pena eu não ter um Boa Noite Cinderela para aguentar as próximas 12 horas. E o diabo ainda roncava como um porco. Mas isso é outra história.

Aeroporto Salgado Filho, Porto Alegre. 05 de julho de 2014 – precisamente às 18h45min.

Todos perguntam quanto está o jogo do Brasil enquanto aguardam as (muitas) malas. O jogo acaba. O Brasil venceu. Todos começaram a aplaudir, assobiar e a se abraçar. Todos, inclusive a galera da sardinha.

Brasil, ame-o, odeie-o e (finja que) deixe-o.

Nenhum comentário :