terça-feira, setembro 30, 2014

Marcio Bulgarelli

A foto do meu irmão Marcio Bulgarelli ficou entre as melhores no "Photo Challenge" do mês de setembro, promovido pelo blog do Mr. Graham Houghton.
Obteve o terceiro lugar, empatado com a escocesa Lynda Hood que postou uma foto muito bacana.



This is a great character study by Márcio and his conversion of the image to monotone accentuates the tonal range of this image which would be lost in the original was in colour. I like the way Márcio has cropped in tightly to keep our attention focussed on the guitar player. Nice control of the depth of field to ensure the head of the guitar and the man playing it are pin sharp. I know Márcio wanted to further blur the background more but limited knowledge in the editing program he was using didn't work out too well. In the edits you will see how I carried out this to further isolate the subject from the background. Excellent work Márcio.

segunda-feira, setembro 29, 2014

Bill Callahan




palacio de Queluz

Falcoaria no Palacio de Queluz




















Poço Iniciático

Eis a Torre Invertida (ou Poço Iniciático) na Quinta da Regaleira,Sintra, propriedade datada de 1892. Ao invés de erguer-se em direção às nuvens, seus nove andares afundam na terra, lembrando os 9 infernos pelos quais Dante teve de passar para chegar a sua amada Beatriz, no clássico A Divina Comédia. No final, podemos explorar um mundo subterrâneo das galerias, um verdadeiro labirinto. A belíssima propriedade é enfeitada por fontes e esculturas fantásticas.







Bill Callahan



“I was trained to turn loneliness into laziness.”



"Eu fui treinado para transformar a solidão em preguiça."





Bill Callahan

Obelisco

Obelisco de Petrópolis é um obelisco localizado na cidade de Petrópolis no estado do Rio de Janeiro. O Obelisco de Petrópolis, inaugurado no dia 29 de setembro de 19571 , foi construído a mando do então prefeito Flávio Castrioto em homenagem ao primeiro centenário da elevação de Petrópolis à categoria de cidade e também em homenagem aos alemães.2 3 O Obelisco tem 20 metros de altura e em sua base estão afixadas quatro placas de bronze com dados históricos, e uma com o emblema do imperador D.Pedro II. O monumento é tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural, o Inepac. Em 2013, o Obelisco passou por uma série de restaurações, que incluíram desde a recolocação da ponta do monumento que havia sido derrubada pela empresa responsável pela decoração de Natal após retirar os enfeites, até a reparação de fissuras, recuperação das placas de bronze e limpeza do monumento.

sábado, setembro 27, 2014

fernando pessoa

“Estou começando a me convencer que não existo. Eu sou o espaço entre o que eu gostaria de ser e o que os outros fizeram de mim. Apenas deixe-me estar à vontade e sozinho no meu quarto.”

Fernando Pessoa. 

sexta-feira, setembro 26, 2014

- Fernando Pessoa

“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.”

Fernando Pessoa.

Fernando Pessoa


quinta-feira, setembro 25, 2014

Belem, Lisboa








Dulce Pontes - Cancao do Mar


Canção do Mar
(The original version of the song was interpreted in 1954 by Amália Rodrigues in the film " Os Amantes do Tejo" )

Composers: Frederico de Brito Ferrer Trindade

Fui bailar No meu batel
Além no mar cruel 
E o mar bramindo 
Diz que eu fui roubar 
A luz sem par 
Do teu olhar tão lindo 

Vem saber se o mar terá razão 
Vem cá ver bailar meu Coração 

Se eu bailar no meu batel 
Não vou ao mar cruel 
E nem lho digo aonde vou cantar 
Sorrir bailar viver sonhar contigo

Pasteis de Belém - Lisboa







Fernando Pessoa

“Todas as cartas de amor são ridículas. Não seriam cartas de amor se não fossem ridículas. Também escrevi em meu tempo cartas de amor, como as outras, ridículas. As cartas de amor, se há amor, têm de ser ridículas. Mas, afinal, só as criaturas que nunca escreveram cartas de amor é que são ridículas. Quem me dera no tempo em que escrevia sem dar por isso cartas de amor ridículas. A verdade é que hoje as minhas memórias dessas cartas de amor é que são ridículas. (Todas as palavras esdrúxulas, como os sentimentos esdrúxulos, são naturalmente ridículas.)”

Fernando Pessoa.