segunda-feira, fevereiro 28, 2011

É bom ser Rei !


Mas melhor ainda é ser Kirk Douglas!


Vencedores do Oscar 2011
:
Melhor filme : O Discurso do Rei

Melhor diretor : Tom Hooper, por O Discurso do Rei

Melhor ator : Colin Firth, por O Discurso do Rei

Melhor atriz : Natalie Portman, por Cisne Negro

Melhor ator coadjuvante : Christian Bale, por O Vencedor

Melhor atriz coadjuvante : Melissa Leo, por O Vencedor

Melhor roteiro original : O Discurso do Rei

Melhor roteiro adaptado : A Rede Social (que filme chatinho...)

Melhor filme estrangeiro : Em Um Mundo Melhor (Dinamarca)

Melhor trilha sonora : A Rede Social

Melhor canção original : Toy Story 3, com We Belong Together

Melhor fotografia : A Origem

Melhor montagem : A Rede Social

Melhor direção de arte : Alice no País das Maravilhas
Melhor figurino : Alice no País das Maravilhas

Melhores efeitos especiais : A Origem

Melhor animação em longa-metragem : Toy Story 3

Melhor animação em curta-metragem : The Lost Thing

Melhor mixagem de som : A Origem

Melhor edição de som : A Origem

Melhor maquiagem : O Lobisomem (Mais efeito especial do que maquiagem num filme que ficou devendo)

Melhor curta-metragem : God of Love

Melhor documentário em curta-metragem : Strangers No More

Melhor documentário : Trabalho Interno

PS -  Quem ganhou o Oscar de melhor personalidade: Kirk Douglas! 

Então é segunda-feira...

domingo, fevereiro 27, 2011

Oscar e o nosso favorito

Fim de semana vendo alguns candidatos ao Oscar 2011. Na tela,  O Discurso do Rei, típico produto para levar a estatueta careca. Mas dizem que o favorito é o chatinho Rede Social. Ontem vi "inverno da Alma", longa dirigido por Debra Granik. Cinema independente. É o melhor, mas não leva nada.

Paris, Texas (1984)

 Um homem (Harry Dean Stanton) é encontrado exausto e sem memória, em um deserto ao sul dos EUA. Aos poucos ele vai se recordando de sua vida, sendo acolhido pelo irmão Walt (Dean Stockwell), que é casado com Anne (Aurore Clément). Com eles vive também Alex (Hunter Carson), filho do homem sem memória, que aos poucos volta a se identificar com o pai.
Obra-prima dos anos 80 e digna de figurar entre as melhores da historia do cinema. É uma fotografia arqueológica que será sempre investigada no futuro quando pesquisadores tentarem entender como era a nossa condição psico-social na década de 1980. AQUI

"

sábado, fevereiro 26, 2011

Interpol


Um jogo de muito sucesso no mundo todo. Um dos jogadores é o "Mister X", o maior assaltante do mundo, que está escondido na cidade de Nova York. Os outros jogadores são os detetives da Interpol, que tentam capturá-lo. O tabuleiro é um grande mapa da cidade, onde ocorre a perseguição. Um jogo que envolve muito raciocínio e dedução, e onde a sorte conta muito pouco.
Fabricante: Grow
Joguei muito esse jogo no apartamento da Barata Ribeiro, Edificio Augusto Aragão, Copacabana. Época do Jornal dos Sports, da pós na Faculdade Estácio de Sá. Início dos anos 90. Ana estava nos fins de semana. E minha prima Marta, o Marcos (namorado dela)  e o sobrinho Miguel Angelo tambem curtiam.

Comercial Banco Bamerindus - Hein? Vitrola!


Sem dúvidas!

Publicidade premiada

Vale a pena.

1976 no Bar do Bulga

Um dos grandes sucessos do ano foi o disco Nem Ouro nem Prata, de Ruy Maurity. O irmão do compositor Antonio Adolfo estava inspirado com composições de forte conteúdo de raiz (Serafim e seus Filhos), passando até pela umbanda (Nem Ouro nem Prata).
O soul man Cassiano emplacou os classicos A Lua e Eu e Coleção.
 Zé Rodrix deixou a dupla Sá e Guarabira para seguir uma irregular carreira solo cujo o destaque foi Soy Latino Americano.
Clara Nunes registrava mais um samba africanizado, agora ressaltando as três raças.
O LP Entradas e Bandeiras é um dos melhores da Rita Lee, apesar dela não gostar. Foi feito numa época de barra pesada, problemas com drogas. São Coisas da Vida.
Gil eterniza mais uma pepita tropicalista, refazendo tudo. Belchior faz  um hino criticando as novas gerações. O registro é da Elis.
Dentro do repertório classico de Raul Seixas, Nasci há 10 mil anos.
A novela surrealista Saramandaia fazia sucesso na tela da Globo e com a trilha sonora que incluía Pavão Misterioso e Canção da Meia Noite com o grupo Almondegas do qual faziam parte o roqueiro Ritchie e a dupla gaúcha Kleiton e Kledir.
Chico grava O Que Será ao lado de Milton que estava visitando o estúdio no dia da gravação e acabou sendo convidado para dividir a faixa.
Nos cinemas, Xica da Silva - direção de Cacá Diegues, música de Ben e Zezé Mota como estrela principal.
Aparece um compositor pop, Guilherme Arantes e Djavan mostra que veio para ficar.
Ano tambem do jazzistico Azymuth com o seu maior sucesso popular.
Tambem popular foi Hermes de Aquino e a Banda Black Rio cujo instrumental foi abertura da novela Locomotivas.  É só pedir por e-mail. 


01 - serafim e seus filhos -ruy maurity
02 - a lua e eu -cassiano
03 - soy latino americano - ze rodrix
04 - canto das tres raças - clara nunes
05 - coisas da vida - rita lee
06 - refazenda - gilberto gil
07 - como nossos pais - elis regina
08 - eu nasci ha 10 mil anos atras - raul seixas
09 - pavao misterioso -ednardo
10 - o que sera - chico buarque e milton nascimento
11 - xica da silva- jorge ben
12 - meu mundo e nada mais guilherme arantes
13 - tenho sede - gilberto gil
14- flor de lis djavan
15 - cancao da meia noite - almondegas
16 - colecao - cassiano
17 - linhadohorizonte - azimuth
18 - mariafumaça -banda black rio
19 - nuvempassageira hermes de aquino
20 - nem ouro nem prata ruy maurity

Imagem da semana

Jogador chileno, de vermelho, simula a mais estranha falta

OSCAR 2011



Domingo é dia de Oscar - Vale a pena conferir. Fonte: Filmelandia 





Melhor filme:
- “A rede social”
- “O discurso do rei”
- “Cisne negro”
- “O vencedor”
- “A origem”
- “Toy Story 3”
- “Bravura indômita”
- “Minhas mães e meu pai”
- “127 horas”
- “Inverno da alma”

Melhor diretor:
- David Fincher – “A rede social”
- Tom Hooper – “O discurso do rei”
- Darren Aronofsky – “Cisne negro”
- Joel e Ethan Coen – “Bravura indômita”
- David O. Russell – “O vencedor”

Melhor ator:
- Jesse Eisenberg – “A rede social”
- Colin Firth – “O discurso do rei”
- James Franco – “127 horas”
- Jeff Bridges – “Bravura indômita”
- Javier Bardem – “Biutiful”

Melhor atriz:
- Annette Bening – “Minhas mães e meu pai”
- Natalie Portman – “Cisne negro”
- Nicole Kidman - “Rabbit hole”
- Michelle Williams - “Blue valentine”
- Jennifer Lawrence - “Inverno da alma”

Melhor ator coadjuvante:
- Mark Ruffalo – “Minhas mães e meu pai”
- Geoffrey Rush – “O discurso do rei”
- Christian Bale – “O vencedor”
- Jeremy Renner – “Atração perigosa”
- John Hawkes – 'Inverno da alma'

Melhor atriz coadjuvante:
- Helena Bonham Carter – “O discurso do rei”
- Melissa Leo – “O vencedor”
- Amy Adams – “O vencedor”
- Hailee Steinfeld – “Bravura indômita”
- Jacki Weaver - “Reino animal”

Melhor roteiro original:
- “Minhas mães e meu pai”
- “O vencedor”
- “A origem”
- “O discurso do rei”
- 'Another year'

Melhor roteiro adaptado:
- “A rede social”
- “127 horas”
- “Bravura indômita”
- “Toy Story 3”
- 'Inverno da alma'

Melhor longa-metragem de animação:
- 'Como treinar o seu dragão'
- 'O mágico'
- 'Toy Story 3'

Melhor direção de arte:
- 'Alice no País das Maravilhas'
- 'Harry Potter e as relíquias da morte - Parte 1'
- 'A origem'
- 'O discurso do rei'
- 'Bravura indômita'

Melhor fotografia
- 'Cisne negro'
- 'A origem'
- 'O discurso do rei'
- 'A rede social'
- 'Bravura indômita'

Melhor figurino:
- 'Alice no País das Maravilhas'
- 'I am love'
- 'O discurso do rei'
- 'Bravura indômita'
- 'The tempest'

Melhor documentário (longa-metragem):
- 'Exit through the gift shop'
- 'Gasland'
- 'Inside job'
- 'Restrepo'
- 'Lixo extraordinário'

Melhor documentário (curta-metragem):
- 'Killing in the name'
- 'Poster girl'
- 'Strangers no more'
- 'Sun come up'
- 'The warriors of Qiugang'

Melhor edição:
- 'Cisne negro'
- 'O vencedor'
- 'O discurso do rei'
- '127 horas'
- 'A rede social'

Melhor filme de língua estrangeira:
- 'Biutiful'(México)
- 'Dogtooth' (Grécia)
- 'In a better world' (Dinamarca)
- 'Incendies' (Canadá)
- 'Outside the law' (Argélia)

Melhor trilha sonora original:
- "Como treinar seu dragão" - John Powell
- 'A origem' - Hans Zimmer
- 'O discurso do rei' - Alexandre Desplat
- '127 horas' - A.R. Rahman
- "A rede social" - Trent Reznor e Atticus Ross

Melhor canção original:
- 'Coming home', de 'Country Strong'
- 'I see the light', de 'Enrolados'
- 'If I rise', de '127 horas'
- 'We belong together', de 'Toy Story 3'

Melhor curta-metragem:
- 'The confession'
- 'The crush'
- 'God of love'
- 'Na wewe'
- 'Wish 143'

Melhor curta-metragem de animação:
- "Day & night"
- 'The gruffalo'
- 'Let's pollute'
- 'The lost thing'
- 'Madagascar, carnet de voyage'

Melhor edição de som:
- 'A origem'
- 'Toy Story 3'
- 'Tron: o legado'
- 'Bravura indômita'
- 'Incontrolável'

Melhor mixagem de som:
- 'A origem'
- 'O discurso do rei'
- 'Salt'
- 'A rede social'
- 'Bravura indômita'

Melhores efeitos visuais:
- 'Alice no País das Maravilhas'
- Harry Potter e as relíquias da morte - Parte 1'
- 'Além da vida'
- 'A origem'
- 'O Homem de Ferro 2'

Melhor maquiagem:
- 'Minha versão para o amor'
- 'Caminho da liberdade'
- 'O lobisomem'
"

Ilusão de Ótica




Textos feitos em apenas 100 toques!

Le fabuleux destin d’Amélie Poulain (2001)
Essa veio do http://www.cemtoquescravados.com/
Aqui, textos feitos em 100 (cem) toques

Alguns textos:

==========
A impressora triturou a folha, o micro reiniciou e ele não salvou o
arquivo. Reunião em dez minutos.
==========
“Sem aumento. Você é um profissional ultrapassado”. Muito triste,
datilografou sua carta de demissão.
==========
No parquinho, negros, brancos... Todos com daltonismo social. Quando
crescem, infelizmente se curam.
==========
Comeram o fruto. "Estamos pelados!". Sentiram-se observados. Era o
primeiro Big Brother da história.
==========
CLASSIFICADO: “Troco enxoval rosa de bebê por enxoval azul e aceito
dica de um obstetra competente”.
==========
"Essa releitura em funk acabou com a poesia da letra. A original em
pagode tinha mais profundidade"
==========
"Acabou a tinta azul! E agora?". Ao final do temporal, o povo
contemplou um arco-íris de seis cores.
==========
Brava, a bibliotecária percebeu que foram arrancadas as últimas
páginas do livro "História sem fim"
==========
CLASSIFICADO: "Vendo planeta azul com vista para o Sol. Área útil para
construção: 30%. Único dono".
==========
Resgatou o telefone encharcado da privada. Sem celular, sem paciência
e (descobriu agora) sem papel.
==========
"Só acredito vendo", disse Tomé. Então Jesus se deitou no chão e fez
trezentas flexões em um minuto.
==========
Fitou aquela imagem decrépita. Sentiu asco. Desviou o olhar. Vestiu-se
e saiu da frente do espelho.
==========
Domingo: abraços, lágrimas e sorrisos! Título mundial conquistado!
Segunda-feira: "Ô país de merda!"
==========
Foi linda à festa. Quando retornou, tomou um longo banho. Metade de
sua beleza escorreu ralo abaixo.

sexta-feira, fevereiro 25, 2011

Amarante, Ananindeua




Amarante, Portugal

Amarante é uma cidade portuguesa pertencente ao Distrito do Porto, região Norte e subregião do Tâmega, com cerca de 11 261 habitantes, sendo assim a 81ª maior cidade do país, em termos demográficos É sede de um município com 301,4 km² de área e 61 582 habitantes (2008), subdividido em 40 freguesias
Ananindeua/Pará.
Ananindeua é um município brasileiro do estado do Pará. Localizado na Grande Belém, é o segundo município mais populoso do Pará, e o terceiro da Amazônia. Sua população é estimada em 471.744 habitantes. (IBGE/2010). O nome Ananindeua é de origem tupi, deve-se a grande quantidade de árvore chamada Anani, uma árvore que produz a resina de cerol utilizada para lacrar as fendas das embarcações. A cidade é originária de ribeirinhos, começou a ser povoada a partir da antiga Estrada de Ferro de Bragança.
Originalmente considerada "cidade dormitório", apresentou um considerável desenvolvimento nos últimos anos, decorrente da falta de espaço para a construção de novas moradias em Belém.
(fonte Wikipedia)

quinta-feira, fevereiro 24, 2011

Hoje é Sexta Feira!!



"

As Aventuras De Tom Sawyer (Mark Twain)


Meu clássico infanto-juvenil favorito-  li todas as adaptações das aventuras de Tom e Huck

Tom Sawyer, publicado originalmente em 1876, é a personificação do rapazinho que cada criança quer ser: livre, aventureiro, moral e inteligente. Nascido no coração do Sul, no Missouri, Tom assemelha-se ao seu autor Samuel Clemens (o verdadeiro nome de Mark Twain), quando novo: um rapaz incapaz de viver na rotina, espirituoso e possuidor um forte sentido do bem e do mal.

Tom é órfão, vive com a sua tia Polly e com os seus primos e adora faltar à escola para ir pescar. A sua tia faz o melhor que pode, tentando domesticá-lo, ao arrastá-lo para a igreja e ao punir as suas rebeliões.

Segunda-feira é o pior dia da semana, uma vez que é sinal de que se avizinha uma semana de instrução enfadonha. Se Tom se atrasar para a escola, o que acontece frequentemente, já sabe que receberá provavelmente um castigo (na forma de chibatadas), aplicado pelo maçador mestre-escola.

Certa segunda-feira o seu coração voa, ficando imediatamente apaixonado, ao surgir uma nova menina na escola, chamada Becky Thatcher. Dá-lhe uma maçaneta como sinal da sua afeição e tudo parece caminhar bem até ao momento Becky se zanga, quando ele menciona o nome da sua anterior amada, Amy Lawrence.

Nessa noite ele escapa-se de casa, na companhia de Huckleberry Finn. Os miúdos dirigem-se para o cemitério e tornam-se involuntariamente testemunhas do roubo de sepulturas, por parte do índio Joe, o Dr. Robinson e Muff Potter. Porém, surge uma discussão entre Potter, que se encontrava bêbedo, e o Dr. Robinson, levando a que o primeiro fique desmaiado no chão. O Índio Joe aproveita, então, para matar o Doutor, colocando a faca na mão de Potter, que jaz por terra inconsciente. Este acorda e pensa que assassinou o Dr. Robinson, implorando a Joe para não dizer a ninguém, fugindo ambos de cena.
Huck e Tom, que assistiram a tudo, decidem-se optar pelo silêncio, fazendo um juramento de sangue, depois do qual Tom regressa a casa.
Na manhã seguinte a sua tia grita com ele e, na escola, Becky devolve-lhe a maçaneta que este lhe dera. Entretanto o corpo do doutor assassinado e a faca sangrenta são descobertos, ficando a cidade no caos. Potter é apanhado, implorando ajuda a Joe, mas o Índio deixa que ele seja levado.
O livro de Twain teve várias versões para  o cinema

Tom, movido pela culpa e pelo ressentimento, encontra-se com Huck. Usando uma jangada o par rema para uma ilha, no meio do rio, e passa lá a noite. Na manhã seguinte ouvem detonações e descobrem que as gentes da cidade procuram alguém que se tenha afogado: disparavam-se canhões para fazer os corpos vir à superfície. Tom apercebe-se que é por eles que andam à procura! Levam a farsa adiante, fazendo acreditar que realmente estão mortos e, Tom visita a sua tia Polly enquanto esta dorme. Com saudades de casa e fartos da ilha vão ao seus próprios funerais e ouvem as coisas maravilhosas que são ditas após a sua aparente morte. No final do serviço, chorosos e culpados, aparecem confessando que estão vivos.

Tom regressa à escola e salva Becky de ser castigada, após ela acidentalmente rasgar o livro de anatomia do mestre-escola, assumindo a culpa e o castigo, levando a que Becky goste dele novamente.

As férias do Verão chegam, livrando as crianças da escola mas, Tom, ao apanhar sarampo vê parte do verão desperdiçado. Além disso, Becky e a família partem para fora por algum tempo.
Após a sua recuperação, é agendado o julgamento de Muff Potter e Tom, audaciosamente, testemunha o facto de ter visto o índio Joe, não Potter, matar o Dr. Robinson. Joe escapa-se e Potter é libertado, transformando o rapaz instantaneamente num herói!

Mais tarde nesse verão, ao brincar ao Robin Hood, Huck e Tom detêm-se numa casa assombrada, onde descobrem que o Joe e o seu sócio enterraram algum tesouro, assim como planeiam fugir para o Texas, após um último trabalho.
Jodie Foster- no inicio de carreira - como Becky
Entretanto Tom distrai-se com o regresso de Becky à cidade e combinam um piquenique. O casal explora, então, uma gruta perto da área do piquenique, mas perdem-se nesta. Tom assegura a Becky que serão procurados e usa o seu cordel de papagaio para servir de guia por entre os corredores, enquanto tenta encontrar o caminho de regresso. No entanto, encontra o índio Joe escondido na caverna, que felizmente não dá por ele. Tom consegue, finalmente, encontrar uma forma de sair da gruta e ambos recuperam do pesadelo.
Dias mais tarde, Tom descobre que o juiz Thatcher, pai de Becky, mandou selar a caverna. Tom revela que Joe está escondido lá dentro e começa uma nova caça ao homem. O assassino é encontrado morto, vítima de fome, e Tom e Huck podem agora respirar de alívio.
Os rapazes encontram a localização do tesouro, agora escondido na gruta, tornando-se ricos e heróis locais.
AQUI uma versão em HQ

quarta-feira, fevereiro 23, 2011

O Fantasma do Paraíso (Phantom of the Paradise) 1974





Texto original do blog My One Tousend Movies
O produtor Swan rouba as músicas ao compositor Winslow Leach e transforma-as em sucessos. Este jura vingar-se dele e do seu palácio do rock, o Paraíso.
Desfigurado por um acidente e sem voz, torna-se no Fantasma do Paraíso. No entanto, Swan propõe-lhe um novo acordo para fazer uma ópera rock completa baseada na vida de Fausto para ser interpretada por Phoenix, que segundo Leach, é a única que a poderia cantar. Mas Swan tem outros planos e arranja um outro cantor, Beef.
Descrever Phantom of the Paradise, de Brian de Palma, como uma actualização do clássico Fantasma da Ópera não faz justiça a este filme demente. Enquanto que as homenagens de De Palma a Hitchcock, por vezes, levavam a becos sem saída, este rock & roll remake parece ter libertado a imaginação do realizador, num resultado que é estranho e engraçado ao mesmo tempo, com o espírito underground das primeiras obras de De Palma bem vincado.
De Palma mostra como estabelecer o ritmo da narrativa com agilidade: a história desenrola-se como um tiro de canhão, e os números musicais (especialmente nas sequências de Alice Cooper, como o Paraíso), são brilhantes. O filme parece prever o futuro, como a MTV e o movimento punk rock. As canções foram escritas por Paul Williams, esse ícone diminutivo da musica dos anos 70, e o seu desempenho é também uma obra de arte.
Comédia, musical, horror, tudo está presente nesta obra fantástica da década de 70.
Ganhou o grande prémio do Festival de Avoriaz, um dos festivais mais importantes do cinema fantástico da altura.


Chope gelado onde houver uma lata

Fonte All Beers 

Os japoneses criaram o Beer Hour. Acoplando em sua lata de cerveja de 350ml, transforma sua latinha em algo que parece um barril de chope portátil! E aí é só servir e degustar.
O Beer Hour é superfácil de usar: Basta acoplá-lo à lata, apertar o botão para tirar a bebida e regular a espuma com uma alavanca bem visível. Ela está à venda por $42.



terça-feira, fevereiro 22, 2011

Aventuras Fantásticas



Aventuras Fantásticas foi uma série que me marcou muito no inicio da década de 90.  Era algo divertido, digno para passar as horas. Aos poucos, fui me conduzindo para um universo que me remeteria ao 'O Senhor dos Anéis'. 
 Foi uma série de livros-jogos criada por Ian Livingstone e Steve Jackson, lançada no Brasil pela editora Marques Saraiva. Em 1982, após o lançamento de Dungeons & Dragons, Steve Jackson e Ian Livingstone tiveram a idéia de criar uma livro-jogo, misturando o conceito de RPG com os livros interativos já existentes na época. Dessa idéia nasceram as Aventuras Fantásticas (Fighting Fantasy, no original). Assim, já em agosto de 1982, O Feiticeiro da Montanha de Fogo estava nas livrarias, e, em poucas semanas, as 20 mil cópias da tiragem já tinham sido vendidas.
No ano seguinte, foram publicados A Cidadela do Caos e A Floresta da Destruição, e então a coleção já se consagrou como grande sucesso. Durante treze anos, novos livros-jogos (não apenas de autoria da dupla) foram publicados ininterruptamente até que, atingindo o seu número 59, após alcançar a marca de best-seller e vender mais de 15 milhões de cópias, a série foi cancelada. As aventuras fantásticas, então, já haviam sido publicadas em 22 países - entre eles: Israel, Noruega e Bulgária. Em 2002, a editora britânica Wizard Books ressuscitou a coleção, publicando novas edições dos livros, com capas e ilustrações diferentes das antigas.

Nas profundezas da Cidadela do Caos, o terrível feiticeiro, Balthus Dire, está conspirando e planejando a derrocada do povo generoso do Vale dos Salgueiros. Seus planos de combate estão prontos, seu exército assustador equipado, e o ataque é indiscutivelmente iminente.
Convocado por uma súplica desesperada de ajuda, VOCÊ é a única esperança do Vale dos Salgueiros. Aluno brilhante do Grande Mago de Yore e um mestre da magia, só você pode empreender uma missão que atinja o próprio coração do mundo de pesadelo de Balthus Dire. Que criaturas monstruosas esperam por você lá?
“A Cidadela do Caos” narra a ameaça do maligno feiticeiro e senhor da guerra Balthus Dire e seu plano de conquista de Allansia, a começar pelo pacífico Vale dos Salgueiros. Nesse livro você é um aprendiz de mago, aluno da Escola de Magia do Grande Mago da Floresta de Yore (mestre de Yaztromo, Nicodemus e Pen Ty Kora, mais conhecido como “Curandeiro”). O feiticeiro é senhor e mestre da fortaleza, caracterizada por uma sinistra torre que a permeia conhecida como Torre Negra, situada no coração dos Rochedos Craggen, lar de tribos de orcs e goblins que lá permaneceram após a Guerra dos Magos que devastou Allansia. A fortaleza, outrora construída pelo avô de Balthus, Gandor Dire, para fins pacíficos, ganhou esse nome por conta das experiências criadas por Dire em seus laboratórios com criaturas vivas e também pelo exército de caóticos (criaturas que servem o Mal e o Caos) que infestam o lugar. Balthus Dire reuniu um exército dessas criaturas e planeja conquistar todas as terras civilizadas de Allansia, a começar pelo Vale dos Salgueiros e a cidade de Salamonis.
Balthus Dire é um Feiticeiro e um brilhante Senhor da Guerra, com grandes tendências de conquista. Foi um dos três alunos de Volgera Darkstorm, um poderoso mago de outrora, junto com Zagor e Zarradhan Marr. Tomou posse da cidadela ao assassinar seu pai, Craggen Dire, e transformou a pequena guarda da Torre Negra em um vasto exército de criaturas do Caos. É também muito temido e respeitado por seus servos e pelas criaturas dos Rochedos Craggen, principalmente por sua crueldade. Ao herói, através da escolha pessoal do sábio e pacífico Rei Salamon, é dada à missão impossível de invadir o território inimigo às escondidas e secretamente por fim à ameaça de Dire. Entretanto o herói precisará utilizar seus conhecimentos de magia, bem como suas habilidades com a espada para enfrentar os servos de Balthus Dire e encontrar o caminho pela sombria cidadela até o terrível vilão.
Nesta aventura, o herói tem à disposição um arsenal de magias à escolha (12 no total). Com as escolhas certas, é muito fácil chegar ao final da história. O grande trunfo deste livro é que o personagem possui chances de chegar à conclusão da aventura com os valores mínimos de Habilidade, Energia e Sorte. O herói também pode evitar a grande maioria das batalhas, utilizando itens encontrados na cidadela que são objetos de fraqueza ou desejo de vários inimigos. “A Cidadela do Caos” é basicamente uma aventura de masmorra, ou seja, corredores, portas, escadarias, monstros e armadilhas. Não há muito enredo, limitando a aventura a induzir o leitor a encontrar o caminho até o feiticeiro e derrotá-lo em combate. Para o herói ser bem sucedido em sua missão, ele deve encontrar diversos itens para lutar contra as criaturas de Balthus Dire e pistas que o levem em segurança pelos ardis da Torre Negra.
Há muitos momentos que aumentam o nível de qualidade da aventura, como a descrição inicial da Cidadela, a prisão subterrânea e o caminho pelo interior do castelo. A dificuldade mesmo eleva-se ao chegar na Torre Negra, onde os maiores servos do feiticeiro guardam a entrada para seu santuário. Destaque para os Ganjees, criaturas mágicas do Plano Etéreo e imune a qualquer tipo de arma comum; os Miks, mestres da ilusão, também do Plano Etéreo; a Hidra; a Fera de Garras e o portal-armadilha, onde um código de três dígitos é necessário para abri-la. Mas o auge em termos de qualidade e criatividade se revela na batalha contra Balthus Dire, onde há uma gama de opções ao aventureiro para lutar contra o feiticeiro. Pode-se lutar contra ele com magias, com um duelo simples de espadas ou utilizando objetos da sala da batalha. Nesse ínterim há chances do aventureiro se recuperar caso o feiticeiro consiga alguma vantagem em uma magia lançada e vice-versa. No entanto uma escolha errada pode ser fatal e aí que se mostra até onde pode ir a intuição do leitor. Um lance genial do autor! Uma boa leitura: aventura com boa dose de encontros criativos, com diversas possibilidades de embate e solução, enigmas simples e um clímax que se resume em uma batalha espetacular.
Notas e Curiosidades:
É muito agraciado pelos fãs por ser um livro que dá a oportunidade ao leitor concluir a aventura com os valores mínimos iniciais de Habilidade, Energia e Sorte. Steve Jackson queria propiciar uma aventura onde qualquer um, com uma dose de sorte, conseguisse terminar a história, não importando quão baixo fossem os valores iniciais.
Esta aventura possui um sistema de magias que seria expandido na série Artes Mágicas!
A batalha com Balthus Dire envolve um complexo sistema de disputa de feitiços que durou horas de trabalho árduo para o autor. Steve Jackson elegeu Balthus Dire como sua criação favorita de toda a série.
Um pequeno erro material, mas que não compromete a estrutura do jogo: Se o jogador deixar a biblioteca (18) para chegar à sala de jantar, o texto diz que o herói saiu do salão de jogos.
Balthus Dire aparece também no romance “As Guerras de Trolltooth”, onde Narra a história de seus primeiros anos e seu primeiro plano de conquista de Salamonis, através de uma guerra com seu rival Zarradhan Marr.
O livro foi republicado em 3 de junho de 2002 pela editora britânica Wizard, com a capa ilustrada por Kevin Jenkins.
No Brasil é a primeira aventura publicada, sendo na verdade a segunda aventura da série original, sucedendo O Feiticeiro da Montanha de Fogo.
Localização: Norte de Allansia, Titan
Localidades: Salamonis, Vale dos Salgueiros, Rochedos Craggen, Torre Negra.

CONFIRA AQUI

Curso de Degustação de Cervejas na TV

domingo, fevereiro 20, 2011

1973 no Bar do Bulga

Um leque que ainda dribla a censura e não tem vergonha do romantismo. O que vale, é a música. AQUI

01 - gostava tanto de voce tim maia – A composição é de Trindade, amigo de Tim na época em que ainda morava na Tijuca.
02 - metamorfose ambulante - raul seixas - É por essas e por outras que Raul ainda é cultuado.
03 - rosa de hiroshima secos e molhados - Versos NE Vinicius de Moraes na musica de João Ricardo A voz é do Ney Matogrosso.
04 - quero botar meu bloco na rua - Sergio Sampaio – Obra-prima de Sampaio. Um desabafo para os períodos negros do governo militar.
05 - o bem amado - coral som livre – Toquinho e Vinicius foram os responsáveis pela trilha sonora de O Bem Amado, primeira novela em cores da Globo.
06 - perola negra - luis melodia – Carro chefe do primeiro LP de Luis Melodia. A musica foi inspirada em um homossexual do bairro do Estácio, no Rio, terra de Melodia.
07- Mentira – Marcos Valle – Deliciosa combinação de samba rock. Da trilha da novela Carinhoso.
08 - tristeza pe no chao - clara Nunes - Clara foi uma explosão na MPB. Força, garra e alma.
09 - Reu Confesso - Tim Maia - Puro soul. Um Clássico.
10 - regra tres - toquinho e Vinicius - Outra delicia da dupla.

11- presente cotidiano - gal costa - Gal foi madrinha de Luis Melodia. Gravou Perola Negra e essa pepita. Repare na beleza da letra.
12 - viola fora de moda - edu lobo – Musica de Edu com letra de Capinam.
13 - canteiros -fagner – A canção tem versos de Cecilia Meirelles que não foram creditado no disco Manera FruFru. O disco foi relançado sem a canção. Só mais tarde que Fagner faria um acordo com a família da poeta.
14 - preciso aprender a so ser - gilberto Gil - Resposta de Gil para o samba-canção Preciso Aprender a Ser Só, dos irmãos Valle. Aqui, o compositor baiano dá um clima existencial à letra.
15 - O vira - secos e molhados – O maior sucesso dos Secos e Molhados que uniu MPB com música portuguesa e andina.
16 - maractu atomico - gilberto Gil – A musica poema é do Jorge Mautner.
17 - meu pai oxala -vinicius e toquinho – Também da trilha da novela O Bem Amado. Sucesso naquele 1973.
18 - mestre Jonas - sa,rodrix e guarabira – Sá, Zé Rodrix e Guarabira fazia o que se chamava de rock rural. Com o passar dos anos, Mestre Jonas virou um clássico daquele período.
19 - preta pretinha -novos baianos – Os Novos Baianos moravam em comunidade. Os mais famosos: Pepeu Gomes, Moraes Moreira, Baby Consuelo, Galvão e Odair Cabeça de Poeta. A musica surgiu num passeio pela barca que cruza o Rio e Niterói.
20 - sangue latino - secos e molhados - O lado andino dos Secos e Molhados.

1973 no Bar do Bulga

Um leque que ainda dribla a censura e não tem vergonha do romantismo. O que vale, é a música. AQUI

01 - gostava tanto de voce tim maia – A composição é de Trindade, amigo de Tim na época em que ainda morava na Tijuca.
02 - metamorfose ambulante - raul seixas - É por essas e por outras que Raul ainda é cultuado.
03 - rosa de hiroshima secos e molhados - Versos NE Vinicius de Moraes na musica de João Ricardo A voz é do Ney Matogrosso.
04 - quero botar meu bloco na rua - Sergio Sampaio – Obra-prima de Sampaio. Um desabafo para os períodos negros do governo militar.
05 - o bem amado - coral som livre – Toquinho e Vinicius foram os responsáveis pela trilha sonora de O Bem Amado, primeira novela em cores da Globo.
06 - perola negra - luis melodia – Carro chefe do primeiro LP de Luis Melodia. A musica foi inspirada em um homossexual do bairro do Estácio, no Rio, terra de Melodia.
07- Mentira – Marcos Valle – Deliciosa combinação de samba rock. Da trilha da novela Carinhoso.
08 - tristeza pe no chao - clara Nunes - Clara foi uma explosão na MPB. Força, garra e alma.
09 - Reu Confesso - Tim Maia - Puro soul. Um Clássico.
10 - regra tres - toquinho e Vinicius - Outra delicia da dupla.

11- presente cotidiano - gal costa - Gal foi madrinha de Luis Melodia. Gravou Perola Negra e essa pepita. Repare na beleza da letra.
12 - viola fora de moda - edu lobo – Musica de Edu com letra de Capinam.
13 - canteiros -fagner – A canção tem versos de Cecilia Meirelles que não foram creditado no disco Manera FruFru. O disco foi relançado sem a canção. Só mais tarde que Fagner faria um acordo com a família da poeta.
14 - preciso aprender a so ser - gilberto Gil - Resposta de Gil para o samba-canção Preciso Aprender a Ser Só, dos irmãos Valle. Aqui, o compositor baiano dá um clima existencial à letra.
15 - O vira - secos e molhados – O maior sucesso dos Secos e Molhados que uniu MPB com música portuguesa e andina.
16 - maractu atomico - gilberto Gil – A musica poema é do Jorge Mautner.
17 - meu pai oxala -vinicius e toquinho – Também da trilha da novela O Bem Amado. Sucesso naquele 1973.
18 - mestre Jonas - sa,rodrix e guarabira – Sá, Zé Rodrix e Guarabira fazia o que se chamava de rock rural. Com o passar dos anos, Mestre Jonas virou um clássico daquele período.
19 - preta pretinha -novos baianos – Os Novos Baianos moravam em comunidade. Os mais famosos: Pepeu Gomes, Moraes Moreira, Baby Consuelo, Galvão e Odair Cabeça de Poeta. A musica surgiu num passeio pela barca que cruza o Rio e Niterói.
20 - sangue latino - secos e molhados - O lado andino dos Secos e Molhados.