quinta-feira, agosto 31, 2006

THE FLY

 

Matei as saudades da sessão Quarta Mistério que passava na Globo. Sempre tinha filmes clássicos de horror. Entre eles, essa pérola: The Fly - 'A mosca da cabeça branca' com Vicent Price. Produzido em 1958, The Fly ganhou outra versão na década de 80, mas com algumas mudanças no roteiro. Prefiro o original. Tinha em VHS e acabo de passá-lo para DVD numa versão ainda dublada, da época da Quarta Mistério... Posted by Picasa

quinta-feira, agosto 24, 2006

BYE BYE PLUTÃO

Sobre o fim de Plutão como planeta, o blogueiro Fahrenheit escreveu em seu blog:

O PCC não vai esquentar a cabeça. E tampouco Lula vai protestar pela cassação do “companheiro”. Mas os cabalistas de plantão certamente não vão gostar com o que aconteceu com Plutão. O planeta foi cassado e o sistema solar que tinha nove planetas, ficou com um a menos. Agora são oito. E como diz o Sherlock Holmes, oito rima com biscoito.

Acostumem-se terráqueos do mundo inteiro! Oito é o número de planetas de nosso sistema. Plutão foi a julgamento numa reunião tensa hoje de manhã, acusado de fraude pela União Astronômica Internacional. E teve sua licença cassada. Foi rebaixando para a Série B do sistema, por falta de categoria planetária e de condições de permanecer na Série A.

Na prática, não muda muitas coisas. Plutão não vai ser alojado de seu lugar. Ele continua lá porque entrou com habeas corpus preventivo e ganhou na Justiça o direito de ficar onde está. Alegou direito de usucapião planetário. Mas não pode mais freqüentar as convenções anuais dos planetas em Júpiter, não pode mais exibir carteirinha planetária e também não tem mais licença para receber visitas de naves extraterrestres sem autorização da União Planetária Internacional.

Este é o único problema. Plutão para sobreviver pode acabar tornando-se um covil de piratas, assim como foi a Ilha de Tortuga no Caribe, em alguns séculos passados. E como a vigilância de nosso espaço é muito precária, poderá sim haver algumas influência nefasta de ETs na periferia de nosso sistema, com conjunções astrais de efeitos imprevisíveis nos horóscopos de cada ser humano.

Pessoalmente, eu fico um pouco decepcionado. Afinal, desde 1930 estava acostumado a chamar aquele planeta filho da pluta de planeta. Vocês devem estar interessados em saber o real motivo do rebaixamento: Plutão é menor que a Lua, tem massa equivalente a 1 por cento da Terra. Os astrônomos alegaram que nossa vizinha, faceira, cor de prata, lírica, é maior e não se assanha tanto. Argumento fatal. E pior: existem corpos no sistema maior que Plutão e com massa maior. Dois deles são o Faustão e o Leão Junior. Isto foi definitivo.

Dizem que a Lua comemorou com uma frase que denota um sentimento de rancor: "Bem feito, quem mandou ele ser gelado!". A mudança está sendo comemorada pelas editoras do mundo inteiro. Acontece que os livros escolares espalhados pelo nosso planeta tornaram-se de uma hora para outra, numa tacada de mestra, obsoletos, mentirosos, cretinos e que estão ensinando coisas erradas às crianças. Eles, certamente, foram a grande vítima. E vão arder na fogueira da inquisição, para depurar seus pecados e ficarem livres de pensamentos luxuriosos.

Acabou. Ponto final.


Barbosinha - Fahrenheit escreve aos sábados em O DIÁRIO e mantém um BLOG

AQUI JAZ...




Veja só o que aconteceu com o Barbosinha. Se você também quer experimentar em escrever um epitáfio próprio, CLIQUE AQUI

quarta-feira, agosto 23, 2006

GHOST WORLD

Baseado numa cultuada história em Quadrinhos, esse filme já está em DVD. Ghost World é original até na abertura. Foi com esse filme que conheci o rock indiano (isso mesmo!) de Mohammed Rafi. No link abaixo, você vai ouvir a música de abertura do filme, 'Jaan Pehechaan Ho'

sexta-feira, agosto 18, 2006

ABDUÇÕES NO JARDIM ALVORADA




Local: Jardim Alvorada, Maringá, Paraná.
Data: 13 de abril de 1979.
Personagens: os irmãos Jocelino e Roberto Carlos de Mattos.

No blog do Factorama, o repórter Fabio Lijardi descobriu que um vendedor de San Diego, na Califórnia (EUA), anuncia o livro Ufo Abduction at Maringá por US$ 299 no site eBay. A justificativa é que esta edição seria da primeira tiragem, de 1988.
A história do livro já é conhecida nos meios ufológicos e botequinescos de Maringá. Em 1999 voltei a tratar do assunto numa matéria publicada em O Diário.
O livro traz a história da abdução de dois garotos no Jardim Alvorada. O caso é conhecido como o caso Jocelino de Mattos, então um jovem de 19 anos. Ele estava com o irmão Roberto Carlos, de 13. O fato ocorreu em 13 de abril de 1979.
O caso foi registrado pelo ufólogo maringaense Edemar José Gevaerd (Hoje radicado em Campo Grande), editor da revista Ufo.
Segundo Gevaerd, os irmãos caminhavam pelo bairro Jardim Alvorada quando viram um UFO brilhante se aproximando. Acabaram desmaiando debaixo de uma grande árvore, no meio de um imenso campo arado, bem a frente do objeto, que para lá se dirigiu e os atraiu como que hipnoticamente. Após alguns minutos, Jocelino sentiu que alguém pegava seus braços e o levava flutuando para dentro do UFO. Segundo seu testemunho, obtido através de hipnose regressiva, os seres fizeram um tour pela nave ao seu lado, mostrando-lhe vários compartimentos. Até que chegaram numa sala que parecia ser um leito de hospital, repleto de equipamentos que lembravam ser de uso médico. Jocelino, um eletricista semi-analfabeto, acabou deitado numa cama e os seres extraterrestres começaram a examiná-lo.
O processo consistiu da coleta de amostras de pele, cabelo e sangue. Logo em seguida, foi colocado em seu pênis um aparelho de sucção, que tinha um saquinho que parecia ser feito de papel celofane na ponta – provavelmente, tratou-se da retirada de amostra de seu líquido seminal. Passados alguns minutos, uma mulher entrou na sala e começou a acariciar Jocelino. Ele ficou excitado, ela abriu um compartimento de seu macacão inteiriço, na altura dos quadris, e tiveram relações sexuais. Após terminarem, a criatura feminina ainda disse para ele que “... talvez a semente vingue”.
Por fim, os seres voltaram a sala e, juntos da mulher, já vestida, tiveram uma longa conversa com o maringaense. Em seguida, devolveram Jocelino ao local onde tinha ficado seu irmão, caído debaixo da árvore, e permitiram que ambos partissem. No entanto, durante a conversa que tiveram, asseguraram que tudo aquilo estava sendo realizado por uma boa causa.
Roberto Carlos não participou das experiências e ficou inconsciente o tempo inteiro, certamente por não ter ainda idade sexual adequada para os propósitos dos ETs.
A alienígena tinha pele morena, com aproximadamente 1,70 metros de altura. Jocelino Mattos foi abduzido das 23h à 01h30 da manhã. Eis parte do relato:
“Estávamos debaixo de uma grande arvore quando, de repente, caímos no chão. O estranho objeto se encontrava a uns 15 metros de distancia e a 2 ou 3 metros de altura do hão. Ele flutuava silenciosamente.Ele flutuava silenciosamente. Isso foi tudo que me lembro, exceto pelo fato de ter ouvido um tipo de voz que dizia”o trabalho ainda não havia terminado” e que eles “voltariam”, recordou Jocelino.
Durante a sessão de hipnotismo, o rapaz lembrou que foi atraído pela luz da nave e junto com o irmão andaram com se estivessem flutuando na direção dela, quando então, desmaiaram. Após alguns minutos, sentiu alguém pegar seus braços e e leva-lo para a nave. Eles flutuavam.
“Eu estava fascinado ao ver aquela porta se abrir ao meio e de dentro dela saírem dois seres, um de cada lado. Um deles pegou um objeto que não reconheci e o tocou no meu braço esquerdo. Depois ficou gesticulando para que eu entrasse na nave. Lá, fui até uma sala cheia de comutadores, com um espécie de mesa em display, com luzes diferentes.
Em uma outra sala, dois objetos cônicos, como ponta de foguetes que pareciam ser os motores do disco voador. “Eles não faziam barulho algum. Já noutro compartimento, havia figuras que se apreciam com as nossas fotografias, mas estavam presas às paredes, como telas de televisão”.
Recado do Barbosinha: Por favor, pague a cerveja antes de qualquer abdução!

quinta-feira, agosto 17, 2006

Atendendo a um antigo pedido do sobrinho Miguel Angelo, eis uma obra prima de Martinho da Vila com João Nogueira: João e José, do LP Rosa do Povo

CLIQUE AQUI !

CRONOS

">


Esse é um pedaço do making off do vídeo Cronos, produzido em VHS em 1987 na Faculdade Hélio Alonso (Facha), Rio de Janeiro. Na cena, Daniela Sabino sendo dirigida por diversas vozes: Affonso Cesar Nunes, Silvio Barsetti, Marcelo Carneiro e eu, Marcelo Bulgarelli.

Recado do Barbosinha - Affonso, agora sim poderemos enviar o DVD do Cronos (edição para colecionadores) com extras! Aguarde!

quarta-feira, agosto 16, 2006

FERNANDO ALBAGLI


Passei os anos 80 lendo Cinemin, revista especializada em cinema editada pela extinta Ebal. No expediente, o nome do editor Fernando Albagli, o maior pesquisador brasileiro da sétima arte. Tenho todas as edições de Cinemin. Não esqueço, quando ainda estava no segundo grau, do dia em que recebi pelos correios os livros dele. Hoje, li a seguinte notícia:

O jornalista, pesquisador e crítico de cinema Fernando Albagli faleceu nesta segunda-feira (14) vítima de um câncer.

Crítico cinematográfico desde a década de 70, Fernando Albagli era um pesquisador, membro antigo do Centro de Pesquisadores Brasileiros - CPCB e atualmente fazia parte do corpo editorial do site criticos.com.br.

Escreveu por mais de 10 anos para o Jornal do Brasil e para a revista Cinemim, da qual foi editor entre 1981 e 1992. É autor do livro Tudo sobre o Oscar (2003) e, através das Edições Cinemim, editou diversos livros de cinema. Editou também o catálogo do Festival do Rio (2000). Junto com Benjamim Albagli, traduziu para o português A Linguagem Secreta do Cinema, livro do roteirista francês Jean-Claude Carrière.
O

Com a morte de Albagli, morre também um pouco do meu encanto pelo cinema.

O BANDEIRINHA RI





Barbosinha: acidentes acontecem. Posted by Picasa

DEBATES

Ao ver o entediante debate com os presidenciáveis, segunda, na Band, lembrei de como faz falta algumas figuras polêmicas nesses programas. Lembrei daquele caso do Janio Quadros que passou o debate falando mal de um adversário até que esse se irritou e disse:

- Sr Jânio, tudo o que o senhor está dizendo, entra por um ouvido e sai pelo outro.

E Jânio respondeu de imediato:
-Mentira! Mentira! O som não se propaga no vácuo!!

terça-feira, agosto 15, 2006

Rick Wakeman.



Esse aí é o Rick Wakeman. Tenho um DVD de um show que ele fez em 4 de fevereiro de 1975 na Austrália. Tenho a sensação que o som de Wakeman ficou muito datado, envelheceu.
Lembro de um episódio ocorrido em 1981. Tinha uns 17 anos e o meu amigo, Arlindo Correa Rodrigues (cadê você?,) 16. Estavamos numa excursão do Colégio São José no Maracanazinho para ver o show de Wakeman. Na volta, o ônibus parou no Bob´s. Fomos comer um sanduíche e ao retornar ao ônibus, ele havia partido. Pegamos um onibus comum para a rodoviária. Lá chegando ,descobrimos que o proximo onibus para Petrópolis sairia somente as 5h15. Ficamos na rodoviária e no dia seguinte, houve a maior confusão entre nossos familiares e o colégio, responsável pela excursão. O motorista quase foi demitido. Afinal, éramos "menores". Posted by Picasa

BOHEMIA

 

Barbosinha - Eis o rótulo original da Bohemia quando a cerveja ainda era fabricada em Petrópolis Posted by Picasa

domingo, agosto 13, 2006

GILSON CARONI escreve...

Um lead para Heloísa Helena

Por Gilson Caroni Filho em 8/8/2006

Não há dúvida. A grande imprensa entrou firme na campanha eleitoral. As pautas não comportam qualquer investigação contra supostas irregularidades cometidas pelo candidato tucano ou seus aliados. Quem se dispuser a um exercício de comparação que leia as folhas em 2002. Àquela época, por fracionamentos conjunturais que não cabem neste artigo, tivemos, talvez, a melhor cobertura de uma eleição presidencial no país. O que assistimos, agora, é a retomada do padrão usual dos pleitos de 1989, 94 e 98.

A novidade é a clareza da aliança dos grandes veículos. Ou quem sabe sua amplitude. Deixando de lado eventuais divergências, a coligação Folha-Globo-Estado de S.Paulo- Jornal do Brasil dá ao analista atento a certeza de que o jornalismo é uma atividade secundária, quando não ocasional, nos grandes conglomerados de mídia. A desconstrução da imagem do governo é tarefa imperativa. Nunca a hegemonia de classe se fez tão nítida no interior do campo jornalístico. A informação é um penduricalho tático, nada mais.

Leia o texto integral clicando aqui !






Recado do Barbosinha - O cara da direita é o Geordano Tomaz, infografista de O Diário. Nasceu em Recife, morou em Orlando e em Lima onde também trabalhou com publicidade (vide foto).

Recado do Barbosinha - Geordano gosta de boleros, Luiz Américo, disco anos 70 e pop rock latino. É muito gente fina. Posted by Picasa

BARBOSINHA

 

Esse é nosso garçon Barbosinha. Ele voltou e está pronto para atender o seu pedido. E já está anotado: National Kid, Luiz Américo e a receita do bolo de lama. Aguardem! Posted by Picasa

sexta-feira, agosto 11, 2006

TOMBAMENTO

 

Esse prédio é conhecido como Bar do Paulinho, administrado até hoje pelo Seu Paulinho. Minha infancia foi buscar bisnagas (pães) no tal botequim. O prédio já abrigou uma escolinha (há uns 60 ou 70 anos), foi uma padaria (Brasil Espanha) e hoje o botequim do Paulinho foi tombado pelo patrimônio histórico de Petrópolis. Mantendo a fachada, daria um ótimo jazz bar. Posted by Picasa

EU?



Elton Hubner, o caricaturista, garante que esse aí sou eu!

SUGISMUNDO


Esse é o Sugismundo, personagem muito popular na década de 70. Foi criado para o Governo Federal em uma campanha educativa, "Povo desenvolvido é povo limpo".

ESSE É O CARA



O bar do Bulga tem espaço para sua propaganda!

terça-feira, agosto 08, 2006

AP APERTADO



Recebi pelo e-mail e achei interessante...

Na casa de Helenita, mal cabem os braços abertos

Casa 'apertadinha' construída em Madre de Deus (BA) tem menos de 2 m de largura para sustentar 3 andares. E ela ainda vai ganhar cobertura. A casa não poderia estar em local mais apropriado: Madre de Deus, a menor cidade da Bahia - com apenas 11 km2, o equivalente a três Cidades Universitárias da Universidade de São Paulo (USP)-, a pouco mais de 50 km de Salvador, na Baía de Todos os Santos. Quem vê, logo percebe que alguma força divina a segura de pé. São três pavimentos equilibrados em uma área de menos de 2 metros de largura, abrigando duas salas, cozinha, três suítes e uma varanda. Tudo apertadinho. Abrindo os braços, é possível encostar as mãos
nas paredes.
A pitoresca residência chegou ao conhecimento do Estado por uma foto enviada por Valter Real ao projeto FotoRepórter, em que qualquer pessoa pode registrar cenas do cotidiano e enviá-las à redação - as imagens selecionadas ganham destaque no site e podem ser publicadas no jornal.
A foto chamou a atenção da reportagem, que entrou em contato com a dona da casa, Helenita Queiroz Grave Minho, de 43 anos. O "projeto" foi de autoria dela própria. "Eu quis aproveitar tudinho o que tinha de terreno", disse a moradora, que vive com o marido, Marco Antonio, de 46, três filhos, a mãe, a irmã e um cachorro.
Tudo começou com um "quartinho de bagunça" que Helenita teve idéia de construir nos fundos da casa para guardar os brinquedos da filha, de 8 anos.
Depois, Helenita ficou desempregada e resolveu aproveitar um "resto de terreno" para construir outra casa, que, alugada, seria uma fonte de renda.O problema era o terreno, muito estreito. Marco Antonio achou maluquice da mulher. "Até o pedreiro achou estranho quando eu encomendei o serviço, mas eu disse para ele: 'Faz uma estrutura bem boa que eu vou subir uma casa aí. E subi dois andares. Ainda dá pra mais um." Mesmo desconfiado, o pedreiro aceitou o serviço, mas foi logo avisando que aquilo "não daria certo de jeito nenhum". E desafiou: "Nem uma geladeira entra em uma casa dessas". De fato, os móveis tiveram de ser desmontados para entrar na casa. A geladeira foi colocada pelo vão nos fundos, onde a largura é um pouco maior do que na frente.Terminada a obra com duas suítes, sala e cozinha, Helenita não se deu por
satisfeita. Convenceu Marco Antonio a usar o dinheirinho guardado para completar a casa de seus sonhos com mais uma sala, outro quarto e banheiro e uma varanda. "Foram dois anos de luta", diz. E a casinha nova, que começou modesta, terminou maior do que a antiga.
Hoje, a primeira casa rende à família R$ 700 por mês de aluguel. Já a nova residência, Helenita não aluga nem vende "por nada". "Não troco a minha casinha por dinheiro nenhum", diz, orgulhosa de ver terminada a sua obra."É mais forte e segura do que as outras. Não balança nem com vento forte."
No início, a prefeitura criou problemas, mas com a planta acabou aceitando a obra, que hoje virou ponto turístico da cidadezinha de 12 mil habitantes. Na frente da casa, há bancos onde os turistas passam o tempo sentados a observar a estranha construção. Alguns, mais curiosos, pedem para entrar e tirar fotos. Helenita deixa. O casal agora tem planos para construir um quarto pavimento, na cobertura, "aberto, para lazer, com churrasqueira e tudo".
Adriana Carranca, Juca Varella-Oesp-18/07/06

sábado, agosto 05, 2006

Moral da História


Essa épara refletir. Colaboração do Michael Bilsland, velho colega do Colégio São José:

Um fazendeiro resolve colher algumas frutas em sua propriedade. Pega um balde vazio e segue rumo às árvores frutíferas.
No caminho ao passar por uma lagoa, ouve vozes femininas que provavelmente invadiram suas terras. Ao se aproximar lentamente, observa várias garotas nuas se banhando na lagoa.
Quando elas percebem a presença do fazendeiro, nadam até a parte mais profunda da lagoa e gritam:
- "Nós não vamos sair daqui enquanto o Senhor não parar de nos espiar e for embora!""
O fazendeiro responde:
- "Eu não vim aqui para espiar vocês, eu só vim alimentar os jacarés!".
Moral da História: A criatividade e a rapidez de raciocínio são o que fazem a diferença quando queremos atingir nossos objetivos

sexta-feira, agosto 04, 2006

DE MALA E CUIA


Em Campo Mourão (PR), tem aqueles que ainda levam a casa na mudança. Nesse caso, trata-se de João Belinato, um homem de 104 (!) anos de idade. Na foto, ele leva a antiga casa com 70 metros quadrados para um novo endereço. De acordo com a prefeitura, 'ele lembra que nasceu em 1902 e que começou a trabalhar como carpinteiro depois dos 40 anos e que nos anos 50 se especializou no trabalho de deslocamento de casas de madeira, com o arrastamento em poucos metros com a ajuda de roletes'. Começou a transportar casas inteiras com caminhões há mais de 20 anos. A maior casa que já transportou tinha 120 metros quadrados, com 15 metros de cumprimento e oito de largura.

Retornando

Os funcionários do bar devem tomar um banho de sal grosso. Desta vez ficamos fora do ar devido a uma pane no sistema. Na verdade, o HD do nosso computador queimou e nos causou sérios transtornos. Aos poucos, a vida volta ao normal...