domingo, julho 23, 2006

TUPI



Revista Amiga-. agosto de 1980

"Dei minha vida á Tupi, O que vou dizer a meus filhos, que eles vão passar fome, até que eu consiga outro emprego? Tenho oito filhos, todos dependentes da mim. Além disso, com 45 anos, que é a minha Idade, não vou arranjar emprego. Se está difícil para um homem de 35 anos, Imagina ma para alguém com mais de 40." Almir Jorge Cardoso, coordenador da .produção da TV Tupi há 17 anos na emissora comentava na ocasião do fechamento da Tupl-Rio. ' '
São 2 horas da tarde da. quinta feira, 17 de'julho dia seguinte. A decisão do governo em fechar 7 emissores dos Diários Associados. Na praia da Urca alguns jovens praticam o windsurfe ao lado do prédio da televisão. No estúdio E, da TV Tupi, Jorge Perlingeiro lidera a reunião com os funcionários. Pessoas exaltadas discutem com os jornalistas, que tentam fazer a cobertura do evento. A princípio pedem que a reunião seja a portas fechadas, mas acabam cedendo No estúdio, a tensão é grande. Ao fundo um aparelho de televisão transmite o programa Aqui e Agora, que transcorre normalmente, a pouca distância, O primeiro a falar é Jorge Perlingeiro que propõe a formação de uma comissão de funcionários para tomar decisões. O que fazer diante da cassação do
canal, afinal, são 540 funcionários e suas famílias, a maioria deles já tendo passado da idade hábil a novos empregos, tal como Neper Dimas gerente da Divisão de Comunicações, A maioria dos funcionários tem mais de 10 anos de casa. A tensão aumenta a cada minuto. Mas, de alguma forma, eles procuram somar forças. Discutem e. por final, decidem partir para dentro do programa Aqui e Agora e, no ar, .. fazem apelos á população.
São 3 horas da tarde. Multa gente chora, mas nenhuma se afasta dali. O programa volta ao ar com o dramático apelo dos 540 funcionários que decidem lutar até o último Instante, numa. jornada da 24 horas da vigília no ar, como quem, desesperadamente faz uma massagem cardíaca nos últimos instantes, de vida de alguém que lhe é caro..
O cantor Agnaldo Timóteo, convidado do programa, chora copiosamente e, movido pela emoção, não se contem, apanha o microfone e fala: "Realmente é uma barbaridade. Tivemos a Excelsior, a TVRio, a Continental. Sr. Presidente o Brasil deve 50 milhões de dólares e ninguém vem aqui tomar nada dele.""..
À emoção toma conta da platéia, que aplaude a atitude do cantor, Nas poltronas e sofás de programa,- funcionários com 30 anos de casa choram e pedem a solidariedade de todos. Às 4 horas em Brasília o presidente assina o documento que fecha o canal. Mas a luta continua.. Telefones não param. Artistas são convidados a participar da noite de vigília. Jornais, revistas e televisões dão cobertura. Às 16h05 a Rede
Globo passa a transmitir, de hora em hora, o acontecimento. Sem dúvida é uma notícia que incomoda, que emociona. São providenciados sanduíches e refrigerantes. A todo o momento no ar é lançada a mensagem: "Por que não podemos ser nossos patrões? Queremos que o governo saiba que o grupo que está interessado em comprar o canal é o próprio corpo de funcionários da Tupi. Para Isso temos nosso Fundo de Garantia, nossos direito á indenização e os salários atrasados. Só Pedimos 60 dias com o canal no ar. Não querermos dinheiro e sim nosso campo de trabalho. Pedimos ao governo que mande um Interventor, até que apareça alguém para comprar."
Os telefones não param. São 5 horas da tarde. A telefonista chora ao fazer as ligações.
Um café comprado, no botequim da esquina, para os funcionários é providenciado, numa simpática atitude de uma repórter. A comissão faz cartazes, divide grupos para irem ás rádios, jornais e televisão. Alguém telefona oferecendo l milhão de cruzeiros para os funcionários comprarem a emissora. Antigos funcionários, céticos,
somem e comentam: "Isso é papo, a maioria que vai aparecer é só papo."".
Alguns, como o funcionário Romano, são capazes de morrer pra manter a Tupi no ar: "Não é por mim, mas sim porque choca ver alguém com 31 anos de casa chorar", ou Adilson, maquinista com 13 anos de casa: "Estão negando crédito a funcionários da Tupi. Isso é natural, quem ver dar crédito? Ninguém empresta dinheiro sem
ter dinheiro para repor".
Um Intenso movimento começa. Cartazes são confeccionados com a frase: "Dentel, não nos mate.”.À noite, durante toda a madrugada, chegam artistas, amigos dos funcionários,gente do povo que, através do vídeo, implora para que a estação não seja fechada. O dia amanhece. Na Tupi, continua o movimento. Ninguém pára até que o cristal no Sumaré seja lacrado.. ...
São 11h45mln. Seis estações, das sete dos Associados, já saíram do ar. A Tupi do Rio, agonizante, resiste nos rostos cansados, nas lágrimas que saem dos olhos de todos os funcionários. Ao meio-dia a apresentação de um conjunto musical latino-americano que toca e chora junto com os funcionários. Chegam as atrizes Angela Leal, Nelia Tavares, Wanda Lacerda e o ator Carlos Eduardo Dollabella, que vêm prestar sua solidariedade. Na porta da emissora,três ambulâncias param. No ar a Tupi e sua última mensagem:- um apelo ao papa e ao presidente, que se repete o tempo todo. No palco e plateia, choro convulso. 12h36mln, o último suspiro. Gritos, desmaios, desesperos vários. A Tupi falece diante do olhar atônito de seus funcionários. O câmara abraça-se ao aparelho num choro Incontido. Apagam-se as luzes. Uma escada de madeira ao fundo serve de apoio para muitos. Abraços. Silêncio. Um grito lancinante e um funcionário carregado por médicos para a ambulância. O cansaço não abate. Ainda assim todos decidem continuar esperando que alguma coisa aconteça. Esperam pela- comissão que foi a Brasília. São 2h da tarde, os funcionários, saem..Alguns desmaiam,.Urna.senhora.chora e comenta: "Muitos não vão resistir a esse golpe."- O Rio no dia 18 de Julho de 1980, perdeu o que foi uma grande parte de sua historia. Muitos' homens que fizeram humor durante 30 anos nessa cidade, nesse momento choram.

BULGA COMUNA



RAP DO DE PAULA

Acho que é o primeiro rap do De Paula.Moderno, ele está se adequando aos novos tempos...


Passageiros
(Antonio Roberto de Paula)

Se conheceram no Terminal
Próximo do portão principal
Sem nenhuma apresentação
Sem abraço, aperto de mão
Foi em agosto de 1997
Uma terça, sete da manhã
Ele havia descido da 177
Ela vinha do Jardim Tarumã
Ele paralisou diante dela
Atrapalhando a passarela
Ela corada, de perna mole
Falou para os seus botões
Deus, preciso de um gole!!
Nunca tive essas sensações
Foi tudo tão de repente
E no meio de tanta gente
Se perderam na multidão
Deus, que foi esta visão??
Ele olhava para os lados
Procurando aquela deusa
Que o deixara atordoado
Mas ele tinha a certeza
Que ainda a encontraria
Como se chamaria?
Amanhã chego mais cedo
Nem que eu perca o emprego
Vou ficar de plantão
Bem junto ao portão
Vou tentar puxar conversa
Perguntar se está com pressa
Meu nome é José Arlindo
Para onde você está indo?
Santos Dumont com Herval?
É lá que eu vou, que legal!!
Enquanto Arlindo era só sonho
Anamaria, de olhar tristonho
Lembrou do rosto do rapaz
Pensou no que o destino faz
Quando nem nos damos conta
O imprevisto vem e apronta
Vem um moço do meio do nada
Me olha, me deixa encantada
E logo em seguida some
Quem será este homem?
Será que terei outro encontro?
No Terminal ou em outro ponto?
Só duas semanas depois
Houve o encontro dos dois
Desconsolado estava Arlindo
Ela tinha quase esquecido
E num dia quente, numa quinta
Por volta das dezoito e trinta
Terminou a monotonia
Para Arlindo e Anamaria
Nas plataformas lotadas
Entre esbarrões e peitadas
Mirou seus olhos nela
E viu o quanto era bela
Corpo, cabelos, boca, sorriso
Deus, do que mais eu preciso?
Ela, feliz, sustentou o olhar
Mas não conseguiu falar
Amou o moço de cara inocente
Percebeu que algo diferente
Forte nela havia se instalado
Coração agora estava ocupado
Amor a gente não escolhe
Deus, preciso de um gole!!
Felizes, juntaram os panos
Já se passaram dez anos
De amor, luta e união
E sempre acesa a paixão
Dois filhos, cresce a família
De Arlindo e Anamaria
Vez e outra, tomando cerveja
Jogando conversa na mesa
Faz um flashback o casal
Tudo começou no Terminal
Com gente entrando e saindo
Amores chegando e partindo
Um belo e comum caso
Manobrado pelo acaso
Que num normal e belo dia
Uniu Arlindo e Anamaria

Recado do Barbosinha - Estamos esperando o registro sonoro para colocar no bar...

terça-feira, julho 18, 2006

DIA DO REPÓRTER


Ser cobaia é uma coisa. Servir de alvo em um número do atirador de facas, é outra coisa. Aconteceu com o reporter Fabio Massalli de O Diário. Foi cobaia num espetáculo cujo ingresso custava R$2.

LEIA A MATÉRIA COMPLETA !!

domingo, julho 16, 2006

Piscinas Tone


Passei a infância ouvindo a propaganda das piscinas Tone: "Quem tem piscinas Tone tem praia particular/ São cinco modelos pra você aproveitar/ Búzios, Ipanema, Parati, Guarujá/ Co-pa-ca-ba-na/ Leve Tone para casa, deixe o sol lhe bronzear/ sinta a alegria da família transbordar/ Piscinas Tone, Alegria da garotada".

Não tive a tal piscina, mas frequentei a dos amigos. Na foto, piscina Tone na casa do Júnior (Célio Flores Júnior). Na foto, Celio Flores Junior, Ricardo Iglesias, Patricia Mauricio e Adriana Mauricio. Monica Iglesias, irmã de Ricardo, está dentro da piscina. Foto de janeiro de 1978.
Essa foi lá do fundo do baú...

TIRANDO DÚVIDAS...




. Lagers
São cervejas claras, o tipo mais popular no Brasil. O nome teve sua origem na Alemanha, onde as cervejas eram "lagered" (guardadas, em alemão) pelos cervejeiros bávaros nas cavernas dos Alpes para abrigá-las dos calores do verão
. Pilsen
Oriunda da cidade de mesmo nome localizada na República Tcheca, esse tipo de cerveja pertence à família das lagers. São chamadas também de pils ou pilsener. Mais amargas e perfumadas
. Ale
Variante tipicamente britânica, são cervejas mais escuras, fermentadas com levedos especiais que conferem um frutado peculiar. Suas cores vão do cobre ao castanho-escuro
. Bitter
Outra especialidade britânica que integra o time das ales. São mais amargas e aromáticas
. Porter
Cerveja escura, elaborada com grãos mais torrados, criada em Londres no século 18
. Stout
A mais escura de todas pelo alto grau de torrefação dos cereais utilizados, tem aspecto similar às cervejas pretas brasileiras. A Guinness, da Irlanda, é a mais famosa delas

ENTRANDO NA SEMANA...




Depois de uma (dificil) prova de ingles no sábado, entro no domingo bebendo Itaipava e dando uma geral nas crônicas e comentários publicadas em O Diário (Caderno D+) durante a ultima semana. Confira.

FAHRENHEIT - Ladrões de dentes

DESVIO DE COLUNA - Contos noturnos

CÂMBIO - Festa na família rock


:: CULT - Cuidado, Muse vicia!

AGRADECENDO

O post abaixo, Sou Tricampeão, foi republicado atendendo a pedidos. Muita gente (mas muita mesmo!) me enviou e-mails solicitando a música. Pretendo atender a todos.
Um freguês ligou de São Paulo dizendo que pediria para um amigo passar no Bar do Bulga para pegar uma cópia da música. Tive que explicar que o bar é apenas virtual (por enquanto).
Aproveito para agradecer ao pessoal que fez comentários generosos na minha entrevista ao site Matéria Prima.
Alías, nesta semana, tem uma bela entrevista com Montezuma Cruz!

quinta-feira, julho 13, 2006

segunda-feira, julho 03, 2006

domingo, julho 02, 2006

PARA NÃO ESQUECER

">

PARA ESQUECER!

">

BANANA SPLIT

">

OLÉ

Artigo publicado neste domingo no jornal esportivo Olé da Argentina

Vergüenza. Eso fue: una vergüenza. Un papelón histórico, y encima ahora queda todo registrado, desde dos horas antes hasta dos horas después del partido, así que no podrán engañar a nadie o decir yo no fui. El festejo de Francia fue realmente escandaloso. Pero por favor... ¿Qué, ganaron la Copa? ¿Le ganaron acaso a un equipo de hombres o de estrellitas de la televisión? Digámoslo, de una vez: ¿le ganaron a alguien? No, señores. Este Brasil es un mamarracho, un equipo en joda que tiene de asistente técnico a un bisabuelo que habla pavadas y como conductor a un tipo que es capaz de jugarle a Platense con siete atrás. ¡Y no renunció! ¿Se puede creer? ¡Hasta Pekerman se dio cuenta de que tenía que tomarse un helicóptero! ¡Preso tiene que ir Parreira! ¿Sabés lo que hace un Carlitos Bianchi si agarra un equipo así, eh? Sí, acertaste, fracasa, como cada vez que sale del país.

Los que son Carlitos, en realidad, son ustedes, jugadores franceses. ¿Cómo van a cambiar su camiseta por ese colorinche todo chivado? Pierden plata, seguro. A ver, ¿cuánto cotiza hoy la camiseta de ese producto de marketing llamado Ronaldinho? ¿Jugó Ronaldito o se fue de joda con sus compañeritos y mandó un doble? ¿Existe Ronaldititito o es apenas una ilusión de TV? Es raro, el pibe siempre sonriendo como si pensara "los engañé a estos giles. Por eso, ¿alguien lo vio alguna vez en persona? ¡Iba a ser la figura del Hexa y jugó peor que Riquelme! ¿Y el Emperador Adriano? Estos tanos fantoches no sacan nunca un jugador de fútbol, se tropiezan con la pelota y cuando ven alguno de afuera le ponen cada apodo...

La sala de conferencias está que hierve. "¿Por qué no puso antes a Robinho?" (Porque tengo menos reacción que De la Rúa) "¿Estuvieron bien hechos los cambios?" (No, fueron un desastre, cambié lateral por lateral, como me explicó Marcelinho Bielsa). "¿Se arrepiente de algo" (Sí, de estar acá en este instante, nene) "¿Renuncia o se queda?" (Ehhhhh). "¿Por qué no marcaron a Zidane?" (Porque somos medio pecho). Pero en realidad Parreira no se sincera. Tiene el disco rayado y responde siempre lo mismo: "Francia tiene un time muuuuito experiente". ¿Y Brasil qué? No, si resulta que Cafú arrugó porque es un debutante en Mundiales, no porque es brasuca, eh. Y Roberto Carlos tiene 33, y Dida 32, y Ronaldo 30, y Zé Roberto 32... De casualidad no lo puso a Marito Zagallo.

A propósito, ¿cómo era, Lobo, eso de que Ronaldo se iba a vengar de Zidane? No, muchachos, la verdad es que algunos de estos pibes se pusieron paliduchos porque recordaban el 3-0 del 98. ¿Se acordará ahora Roberto Carlos de esa final o habrá que pasarle el video?

Los brasileños se la creyeron. Se la creyeron que eran los mejores del mundo antes de jugar y ya estaban preparando la sexta estrella en las camisetas. Y se la creyeron que alguien desde estas páginas podía hinchar por Brasil. ¡Pero por favor!


¿Qué estará haciendo Scolari en este momento? ¿Lo habrán internado? ¿Estará en terapia intensiva por el ataque de risa? ¡Puso a Portugal en semifinales! Pobre Franquito Lampard, pobre David... ¡Idolo, Elizondo! Un fenómeno, le hizo patear dos veces el penal a uno, el chabón pensó (un ejercicio infrecuente) y chau. Chau Inglaterra y chau Brasil. Ya no quedan sudamericanos y ése es un dolor, de verdad. Será casi imposible continuar con esta crónica. El dolor en las mandíbulas es insoportable y quizá haya que pasar por el quirófano. A ver si con una operación se borra de una vez esta sonrisa...

CAUSOS DA IMPRENSA

A situação estava “braba”, no Correio da Manhã. O jornal já sofria um tremendo cerco econômico do Governo ditatorial e, naquela altura, os anunciantes privados mais fortes tinham recebido “recomendação” para não colocar publicidade no jornal da Sra. Niomar Muniz Sodré Bittencourt.
Eram tempos heróicos e, também, de muitas notícias políticas, em especial sobre golpes militares.
A manchete do bravo Correio da Manhã trazia mais uma delas: a do general Papadopulos, na Grécia. A notícia começava na primeira. página e continuava na Internacional. Inclusive, trazendo a justificativa do próprio general para a tomada do poder. E, exatamente nesse parágrafo, saiu em um minúsculo corpo 6, negrito: “Sobre o golpe, disse Papadopulos: Niomar, pague-nos o 13° salário.” Etc., etc.